Siga o DCO nas redes sociais

Fascismo
Direita ataca quilombolas em Florianópolis para evitar reconhecimento
Quilombo Vidal Martins em Florianópolis SC sofre com incêndios de grupos direitistas e guerra com bolsonaristas para demarcação e legitimação de suas terras.
quilombo resiste
Fascismo
Direita ataca quilombolas em Florianópolis para evitar reconhecimento
Quilombo Vidal Martins em Florianópolis SC sofre com incêndios de grupos direitistas e guerra com bolsonaristas para demarcação e legitimação de suas terras.
Reivindicação de laudo Antropológico UFSC. 21/03/2019. Foto de Divulgação.
quilombo resiste
Reivindicação de laudo Antropológico UFSC. 21/03/2019. Foto de Divulgação.

A comunidade quilombola Vidal Martins, reivindica a titulação das terras do que é considerado o primeiro Quilombo em Florianópolis, na Paróquia de São João do Rio Vermelho. O território soma 1.014 hectares em área sobreposta integralmente ao Parque Estadual Rio Vermelho. Ultimamente a comunidade vem sofrendo ataques da direita para que seja negado seus direitos e o reconhecimento histórico.

Desde quarta-feira (11) o fogo toma conta do Parque Estadual Rio Vermelho em Florianópolis, no nordeste da Ilha de Santa Catarina, entre a Praia de Moçambique (12,5 km de extensão), à leste, e a Lagoa da Conceição, à oeste, com área de 1.532 ha. Na Sexta-feira os focos de incêndio apareceram próximo do camping da comunidade Quilombola Vidal Martins, segundo os bombeiros pode ter sido um ato criminoso.

Em 14 de fevereiro, o Parque Rio Vermelho se tornou terra Quilombola, após seis anos de luta, 31 famílias descendentes de negros escravizados que resistem nas terras desde 1750, obtiveram o laudo do território reivindicado. O documento foi publicado pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). No entanto a titulação da terra em nome do Quilombo deve levar um tempo. De acordo com relatos da comunidade a partir dessa data começaram as ameaças.

Leia Também  Sérgio Camargo só fala grosso quando esquerda não reage

Na última semana começaram os incêndios florestais próximos onde os quilombolas estão vivendo. Segundo o Repórter Popular, crianças adultos e idosos estão expostos à fumaça, danificando a saúde respiratória. Nas redes socais e sites de internet de grupos de direita, começaram os ataques ao Quilombo dizendo que eles teriam colocado o fogo e impediram os bombeiros de entrar no camping Vidal Martins para apagar.

Em nota o Quilombo Vidal Martins denuncia que os incêndios criminosos começaram após as ameças que sofreram, e que desde o inicio ajudaram os bombeiros a combater o fogo com pás e enxadas. E ressaltaram que as informações que estavam sendo repassadas pela coordenadora do Instituto do Meio Ambiente (IMA) Adriana Nunes e o comandante do 1º batalhão dos Bombeiros, coronel Diogo Bahia Losso, de que eles teriam incendiado o local eram falsas.

A presidente da Associação Quilombola Vidal Martins, Helena Jocélia Vidal de Oliveira, negou que membros da ocupação impediram a passagem dos bombeiros. “Isso nunca aconteceu. Jamais faríamos isso” afirmou. O que se percebe é uma clara tentativa de criminalizar a comunidade. Pois qual interesse teriam eles em atear fogo em seu próprio território e respirar fumaça por dias?

“A fumaça chegou intensamente no camping e já temos pessoas sofrendo com problemas respiratórios. Estamos em situação de risco de saúde, tanto pelas ameaças de grupos violentos, quanto pela fumaça e fuligem. Portanto exigimos do Ministério Público e dos órgãos competentes uma retratação e investigação sobre os responsáveis pelos incêndios criminosos” declara um trecho da nota emitida pelo Quilombo Vidal Martins.

Leia Também  A "luta contra o racismo" dos CEO's negros

O que se apresenta na situação dos Quilombolas em Florianópolis, é que a direita interessada na especulação imobiliária tenta expulsar os quilombolas e se apossar de seu território. E os problemas que eles enfrentarão daqui para frente é que a Fundação Cultural Palmares (FCP), que é o órgão que deveria protege-los, legitima-los  e dar o aval para liberação de seus direitos culturais e territoriais históricos, se encontra na mão de bolsonaristas.

Fica claro que essa direita da FCP representada pelo presidente racista Sérgio Camargo e o Ministro do Meio Ambiente o fascista Ricardo Salles farão de tudo em prol dos direitistas capitalistas na tentativa de impedir ou se omitir para que a comunidade não seja reconhecida e não tenha seus direitos conquistados. O movimento negro deveria atender o chamado do Quilombo e se somar a luta dos quilombolas de retomada de suas terras, e se mobilizar para enfrentar a direita fascista e racista.

 



Share via
Copy link