Um maluco consciente
Imprensa burguesa usa Associação dos Treinadores para mirar em Lisca e atacar o povo, culpando-o pela pandemia

Por: Redação do Diário Causa Operária

Um dos treinadores mais polêmicos do Brasil causou celeuma na semana passada. Lisca ”Doido”, técnico vice-campeão da Série B pelo América MG, foi aos microfones para denunciar o caráter assassino da política da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) de manter o futebol brasileiro mesmo no pior momento da pandemia no Brasil, em que estão morrendo quase duas mil pessoas por dia.

Em desabafo após uma partida vencida no campeonato mineiro por 1×0, Lisca aproveitou o momento em frente as câmeras para fazer uma denúncia em relação a continuidade do calendário do futebol brasileiro em meio ao agravamento da pandemia do coronavírus no Brasil. A declaração do treinador repercutiu no meio futebolístico e social do país, atraindo concordâncias e divergências.

Lisca está totalmente certo de que se deve parar o futebol. Apesar disso, ele sofreu críticas da Associação de Treinadores, em entrevista ao jornal golpista Folha de S. Paulo, o presidente disse: “Não adianta o Lisca dizer que tem gente morrendo, que está preocupado, que perdeu alguns companheiros, sendo que há pouco tempo não se importou muito em comemorar a classificação nos braços da torcida”, disse Fernando Luiz Pires. “As pessoas têm que ter cuidado com as suas posições, ser mais coerentes. Têm que se comportar como falam”, complementou.

Como já foi amplamente denunciado neste Diário, mais uma vez a tentativa de culpar as pessoas individualmente é utilizada como uma cobertura para livrar a cara dos verdadeiros responsáveis pelo problema. Ora, se o Lisca Doido comemorou ou não comemorou isso não tem a menor importância. Ele é uma pessoa. Quem deve ser responsabilizada é a CBF e o governo, pois são eles que tem o poder de parar ou não os campeonatos.

A CBF é uma instituição que, assim como os governos que também permitem o retorno do futebol, tem uma responsabilidade real sobre o problema. Lisca é só um treinador, que muito bem utilizou o espaço do microfone para fazer um desabafo sobre a situação que está fora de controle dos governos golpistas.

É claro que devemos frisar que para parar as atividades do futebol, as federações devem garantir que os jogadores, funcionários e trabalhadores do esporte de conjunto (principalmente os de times pequenos) tenham o mínimo de condições econômicas para que isso seja feito, paralisando tudo para que o confinamento contra o coronavírus realmente aconteça na prática.

Finalmente, a lógica é a mesma que deve ser utilizada na política geral: é preciso parar todas as atividades mas garantir emprego, renda e financiamento dos trabalhadores. Mas o governo não faz isso, ele para as atividades apenas para inglês ver e coloca a culpa na população que faz festa. Num certo sentido, é o que estão fazendo com o Lisca. Culpando quem denuncia a situação e sequer tem culpa pelo que está acontecendo.

Que veículos golpistas como a Folha de S. Paulo abram espaço para esse tipo de picuinha, é mais do que normal. Mas é lamentável que a crítica venha de quem, em tese, deveria proteger os treinadores. Criticar Lisca é a mesma coisa que culpar o povo, é um ato reacionário, é não entender que o verdadeiro problema é a CBF e o monopólio da imprensa, não os trabalhadores do esporte que emprega milhões e coloca comida na mesa de muita gente.

Send this to a friend