Junto da Rede Globo
Centrais sindicais aderem à política da direita tradicional e deixam trabalhadores a reboque dos golpistas, sem enfrentar o golpe de Estado
carreata(1)(1)
Carreata em São Paulo pelo Fora Bolsonaro. | Foto: Elineudo Meira
carreata(1)(1)
Carreata em São Paulo pelo Fora Bolsonaro. | Foto: Elineudo Meira

Aderindo ao chamado da direita golpista tradicional, por intermédio da grande imprensa e seus porta vozes, as centrais sindicais saíram enfim às ruas pelo “fora Bolsonaro”. A questão é que, seguindo aqueles que a convocaram, parte da burguesia golpista, essas manifestações e palavras de ordem não representam ameaça real ao regime instaurado a partir do golpe de 2016.

O “fora Bolsonaro” é no momento utilizado pela direita para buscar se reciclar. Isto é, descartar o “monstrengo” genocida desmoralizado Bolsonaro e fazer campanha por um candidato mais disfarçado, como João Doria, mas igualmente adepto da política genocida e golpista de destruição e entrega do Brasil.

Por isso colocam “fora Bolsonaro” enquanto pedem um impeachment, que neste momento só pode ser realizado pelas instituições golpistas do STF e do Congresso, o que coloca os trabalhadores a reboque delas. Por isso o complemento “e todos os golpistas” à palavra de ordem de fora Bolsonaro não aparece na campanha. Querem tirar Bolsonaro para colocar outros golpistas. Ou seja, não é uma luta contra o golpe de Estado e contra a burguesia.

Da mesma forma não mencionam que Bolsonaro chegou à presidência através de uma fraude na eleição de 2018, que impediu o candidato do povo, Lula, de se candidatar. A direita busca apagar o acontecimento do golpe enquanto aprofunda sua política e, portanto, esconde a figura central na situação política: Luís Inácio Lula da Silva, maior liderança popular do país.

Sob esse contexto é que se deve interpretar a atuação das centrais sindicais. A política dos golpistas, da direita, gera demissões em massa, diminuição salarial, devassa dos direitos trabalhistas. Hoje já metade da força de trabalho brasileira está desempregada e 100 milhões passam fome por causa direta da política da burguesia, dos ricos, donos do país, que o administram como uma colônia a serviço da burguesia estrangeira imperialista.

Mais que isso, com a pandemia vê-se o genocídio dos trabalhadores pela política de toda a direita golpista. Isso é claro se simplesmente se observar o estado de São Paulo, governado pelo dito “democrata” e “científico” João Doria. Não deixou nada a desejar na política de assassinato dos trabalhadores esse que alguns chegam a considerar um salvador da pátria, representante da mesma política que Bolsonaro, servo da mesma burguesia.

A situação é aviltante para toda a classe trabalhadora, mas os sindicatos na pandemia fecharam suas portas, pregaram uma política de aliança com a burguesia, com os golpistas, sob o pretexto de luta contra o vírus. Mas é exatamente a política da burguesia que assassina os trabalhadores; que destroi o Sistema Único de Saúde, o SUS; que não investiu nada em testes para a população trabalhadora; que não adotou política para o acompanhamento comunitário da doença; que defende a reabertura das escolas.

Agora, ao invés de convocar greves, paralisações gerais no setor dos transportes e em todas as categorias. Ocupações das fábricas ameaçadas de fechamento e mesmo já fechadas. Manifestações de massa contra o regime golpista de conjunto, com fechamento de estradas, para derrubar não só Bolsonaro, mas todos os inimigos do povo colocados no poder pela burguesia golpista. Os sindicatos e centrais aderem à política da própria burguesia de chamar atos inócuos, panelaços, barulhaços, carreatas.

Esses métodos não são ferramentas dos trabalhadores, não são consequentes e não buscam de fato uma vitória sobre os inimigos do povo. As greves estão sendo contidas nas bases sindicais pelas direções, usando a pandemia como desculpa, ou seja, pode trabalhar, mas fazer greve não. É necessário, essencial, superar essas direções e seu peleguismo e covardia, através de uma mobilização que vincule todas as reivindicações dos trabalhadores à campanha pelo Fora Bolsonaro e todos os golpistas e por Lula presidente!

Relacionadas
Send this to a friend