Direção golpista do BB propõe que trabalhadores paguem rombo da Cassi, mais uma vez

BB-precisa-abrir-negociacao-sobre-Cassi-em-vez-de-assediar-funcionarios

Na última quarta-feira (27) a direção golpista do Banco do Brasil, em mesa de negociação com organizações dos trabalhadores da ativa e aposentados, apresentou mais uma proposta de mudança no estatuto da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (CASSI), depois que a sua última proposta ter sido derrotada por mais de 80% dos bancários em consulta, conforme delibera o estatuto da entidade.

Esses parasitas, que hoje se encontram à frente do Banco do Brasil, que foram nomeados por um governo eleito através da maior fraude eleitoral já vista no País, com o objetivo de massacrar a população, através da famigerada política neoliberal, e entregar todo o patrimônio do povo brasileiro nas mãos dos grandes capitalistas, principalmente ao imperialismo norte-americano (vejam o capachismo de Bolsnonaro em sua visita aos EUA), estão, a todo custo, tentando de todas as formas liquidar com o plano de saúde dos funcionários do Banco do Brasil, cimentando o caminho pra entregar a Cassi aos planos de saúde privados.

Na essência a proposta apresentada na última reunião não muda nada do projeto original dos golpistas.

Em relação à governança: implementar o voto de minerva na diretoria; aumento da contribuição dos funcionários; e a liquidação do sistema de solidariedade do plano com a cobrança de mensalidades dos dependentes dos funcionários da ativa e aposentados.

A justificativa da direção do banco em onerar os trabalhadores é a mesma ladainha utilizadas nas mudanças do estatuto da Cassi em 1996 e 2007: os supostos prejuízos da instituição. Querem, mais uma vez, que a categoria pague por um “rombo” que não é de responsabilidade dos associados.

A Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil chega a ter uma receita de mais de R$ 3 bilhões com quase 1 milhão de participantes sendo um dos maiores investidores nas carteiras de crédito do BB. Os roubos, favorecimentos a hospitais, desvios de verbas e etc., principais causas da atual situação da Cassi, ficam como estão nada é feito, nada de apuração das denúncias feitas ao Banco.

A Cassi é um patrimônio construído pelos trabalhadores e é a eles que cabem o seu gerenciamento e controle, hoje os seus administradores são escolhidos através de seleção interna, coordenada pelo banco que detém a prerrogativa de nomear o presidente da entidade.

Cabe aos trabalhadores do Banco do Brasil barrar mais esse ataque do governo golpista e organizar a mobilização pelo controle do plano de saúde unicamente pelos dos trabalhadores.