Direção golpista da Caixa Econômica aumenta carga horária de seus funcionários

caixa-divulgacao

Os trabalhadores da Caixa Econômica Federal dos golpistas. O ilegítimo governo de Jair Bolsonaro, e seus lacaios à frente da direção do banco, colocaram, recentemente, em prática o controle rígido de intervalo para almoço, que na aparência é apenas uma formalidade, mas na prática está sendo um absoluto terror.

Os bancários da Caixa realizavam o intervalo para almoço de 15 minutos dentro de sua jornada de trabalho de 6 horas, agora devem obrigatoriamente registrar no ponto intervalo de 30 minutos. A carga horária de 5 horas e 45 minutos nos postos de trabalho, aparentemente, não se alterou, mas a permanência nas dependências das agências desde a entrada até a saída dos empregados foi alterada para 6 horas e 15 minutos.

Os problemas que se manifestam desta alteração são inúmeros: os funcionários não podem se negar a realizar o intervalo de 30 minutos, o que gerou grande revolta, principalmente, pelos empregados que trabalham em horários diferentes do funcionamento das agências de atendimento e que não desejam aumentar a permanência nas dependências do banco.

Seguindo a lógica, deveriam ter a carga reduzida em 15 minutos.

Um outro problema é o sistema de ponto que só pode ser acessado através de um cartão inteligente, certificação digital, que não permite marcar entrada imediatamente e sempre falha. Os funcionários tanto para iniciar sua jornada sua quanto para retornar de seu intervalo de almoço perdem em média de 15 minutos todos os dias. A revolta é geral.

A Caixa Econômica já possui um sistema de controle da produtividade dos empregados, que associado com sistema de metas individuais, Gestão de Desenvolvimento Pessoal (GDP), e controle rígido de horas trabalhadas irá massacrar ainda mais os trabalhadores.

Logo mais, vai ser comum os gerentes fiscalizarem os funcionários nos banheiros e nas cozinhas. Bolsonaro, que já demonstrou inúmeras vezes o seu capachismo para o imperialismo norte-americano, tentará impor um sistema parecido com várias empresas multinacionais que estão obrigando os trabalhadores a trabalhar com fraldas geriátricas para aumentar a produtividade.

Os golpistas estão implantando dentro do banco um regime de intensa exploração, assédio, terror e caos. Já estão promovendo ataques aos comissionados e futuramente poderão promover demissões em massa com base em desenvolvimento e produtividade individual. Estão desenvolvendo um ambiente cada vez mais propenso para o aumento das doenças ocupacionais, tais como depressão, síndrome do pânico, estresse, etc.

Por isso, os bancários da Caixa devem se organizar, junto aos sindicatos e toda categoria contra essa política e derrotar todos estes ataques. Lutar pelo Fora Bolsonaro e todos os golpistas; Liberdade para Lula.