Campanha salarial
Direção golpista da ECT anunciou aos trabalhadores dos Correios sua gratidão pelo esforço da categoria com a retirada de todos os direitos e benefícios
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
23jan2019---general-floriano-peixoto-em-entrevista-apos-reuniao-com-os-diretores-de-hospitais-federais-do-rio-1550523366075_v2_1920x1280
Presidente dos Correios, General Floriano Peixoto. | Arquivo.

Direção golpista da ECT (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos) anunciou nesta terça-feira (14-07) aos trabalhadores dos Correios sua gratidão pelo esforço da categoria de expor suas vidas na pandemia de COVID-19, com a retirada de todos os direitos e benefícios dos trabalhadores do acordo coletivo de trabalho 2020/2021.

A proposta dos bolsonaristas da direção da ECT apresentada em mesa de negociação (on line) para os sindicalistas dos Correios pretendem retirar direitos e benefícios históricos dos trabalhadores.

A proposta da direção bolsonarista dos Correios propõe retirar todas as conquistas dos trabalhadores, congelar o salário na empresa e excluir 71 cláusulas do atual acordo coletivo de trabalho, estabelecendo um acordo com apenas 9 cláusulas.
Os direitos e benefícios dos trabalhadores dos Correios do atual acordo coletivo, que foi conquistado na luta, pela proposta da direção bolsonarista da ECT, serão excluídos categoricamente ou serão regulamentados pela CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) e leis federais.

Com isso, os trabalhadores dos Correios terão seus ganhos salariais reduzidos, em certos casos, pra mais da metade, além dos ataques a direitos e benefícios sociais e de organização da categoria.

Alguns dos direitos que os direitistas da direção da ECT querem roubar dos trabalhadores são: Retirada do pagamento do do AADC (Adicional de Atividade de Distribuição Externa) um adicional que acrescenta cerca de 30% nos salários dos carteiros; o reembolso creche pago as mulheres trabalhadoras, o vale cultura de R$ 50,00 (cinquenta reais); redução dos valores das horas extras, do trabalho em final de semana, abono férias entre outros.

Ao mesmo tempo em que os trabalhadores dos Correios arriscam suas vidas, dando o sangue para que os Correios continue funcionando em meio a pandemia do Corona vírus (já morreram mais de 50 trabalhadores dos Correios no Brasil e mais de 1000 infectados), a gratidão da direção bolsonarista dos Correios é a de tirar a pele do trabalhador e empobrecer sua existência.

Obviamente que os argumentos da direção golpista da ECT para realizar tal ataque são todos mentirosos, a começar pela desculpa tradicional de que os Correios passam por dificuldades financeiras, passando pelo argumento da “moda” de que a pandemia atingiu os cofres dos Correios, pelo contrário, nunca os Correios ganhou tanto dinheiro com a contratação dos seus serviços para entregar encomendas compradas via online, superando até os momentos de final de ano.

Obviamente que os ataques aos direitos dos trabalhadores dos Correios está a serviço da privatização dos Correios, preparando o terreno para o governo Bolsonaro, através do Paulo Guedes, ladrão do Postalis, entregar a maior empresa de Correios da América Latina aos grandes capitalistas do ramo postal, com os custos operacionais o mais enxuto possível.

Dirigentes sindicais dos Correios colaboram com os ataques do governo Bolsonaro aos Correios

Os sindicalistas dos Correios, ligado ao Bando dos Quatro (sindicalistas do PT, PCdoB, PSTU e diretoria do sindicato de Minas Gerais/LPS, que entraram em quarentena, quando quase todos os trabalhadores da empresa trabalhavam exposto ao Corona vírus.

Ficaram iludidos que esse ano não haveria campanha salarial, sustentado em uma decisão do TST (Tribunal Superior do Trabalho) e por tanto, colocaram o “burro na sombra”, fecharam os sindicatos, se afastaram da base e através de live´s, discursos em redes sociais, diziam defender a categoria exigindo máscara e álcool gel para os trabalhadores na justiça.

No entanto, o governo Bolsonaro que é um governo golpista e composto de milhares de militares, inclusive o presidente dos Correios, General Floriano Peixoto, invocaram o STF (Supremo Tribunal Federal) que está tutelado pelas forças armadas, e exigiram uma liminar para que houvesse campanha salarial nos correios esse ano, a fim de fazer o ataque aos direitos dos trabalhadores ecetistas, ainda esse ano.

O STF, através do Ministro Dias Toffoli, concedeu a liminar para os Correios, e então a direção dos Correios exigiu que os “representantes sindicais” apresentassem as reivindicações da categoria para começar as “negociações”.

Da forma mais capacho possível, os sindicalistas do Bando dos Quatro se reuniram, via on line, e decidiram por conta própria, sem consultar a categoria que a pauta de reivindicação deveria ser a de manter o acordo com está, abandonando todas as reivindicações dos trabalhadores, como por exemplo, voltar o plano de saúde ser gratuito, sem mensalidade, mostrando que os sindicalistas do Bando dos Quatro achou bom o trabalhador pagar mensalidade e perder o direito dos pais e mães de funcionários usarem o plano dos Correios.

Obviamente que com uma pauta de reivindicação, que não reivindica nada, ficou mais fácil para a direção da ECT impor a sua pauta privatizante, exigindo a pele do trabalhador dos Correios.

Com tamanho capachismo, a direção da ECT agradeceu os serviços da burocracia e realizou com a pelegada apenas uma reunião, a de apresentação de sua proposta de morte aos direitos da categoria.

A burocracia sindical dos Correios que estava dizendo que não ia fazer assembleia na categoria para realizar greve por causa da contaminação e morte de trabalhadores por Covid19, alegando ser contra a aglomeração de pessoas, apesar de que os trabalhadores dos Correios estão todos trabalhando aglomerados nos setores de trabalho, agora, diante da campanha salarial desastrosa que estão realizando com a ECT, estão convocando a categoria para lotar as assembleias, por meio de redes sociais, para recusar a proposta da ECT e deflagrar greve para o dia 04 de agosto, uma vez que com essa proposta a greve é inevitável.

Diante da demonstração da total falta de combatividade das direções sindicais e do capachismo diante da direção da ECT, é necessário que os trabalhadores dos Correios entrem em greve e através da luta superem o controle dos dirigentes sindicais pelegos no embate contra a ECT e o governo Bolsonarista.

É necessário a formação de comandos de greve pela base, com piquetes nas portas das unidades, inclusive paralisando os trabalhadores terceirizados, que hoje fazem a maior parte do serviço de triagem nos grandes complexos dos Correios.

É preciso o enfrentamento contra a política de privatização do governo golpista de Bolsonaro que tem a missão de entregar os Correios para os grandes capitalistas, parasitas do mercado postal, atacando todos os direitos da categoria.

É preciso uma greve com 100% de paralisação, inclusive com a ocupação dos prédios públicos dos Correios, sem uma ação enérgica contra a privatização dos Correios provocada pelos golpistas, a existência dos Correios corre sério risco de desaparecer, como os empregos de milhares de trabalhadores dessa empresa.

Transformar todos os terceirizados da ECT em trabalhadores do próprio correios com os mesmos direitos e benefícios dos trabalhadores concursados,

Manutenção de todos os direitos e benefícios;
Aumento real de salário;
Retorno do plano de saúde nos moldes do Postal Saúde;
Por um Correio público, estatal e de qualidade;
Pelo Fora Bolsonaro e todos os golpistas; Eleições gerais; com a restituição de todos os direitos políticos do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas