Não à Privatização
Essas doze horas seguidas violam a Lei 5.811/72, que instituiu o trabalho prestado em regimes especiais de turnos ininterruptos de revezamento e de sobreaviso
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
c70ddcafc39323d67b46997f7b68af06-xl
Petroleiros | Foto: Reprodução Valor Econômico

Com a deposição da presidenta eleita legitimamente, os golpistas, primeiro com Michel Temer e agora com Jair Bolsonaro, têm atacado duramente as relações de trabalho, isso ganhou uma nova página macabra contra a crise gerada pelo coronavírus.

As estatais também tem aumentado suas jornadas de trabalho passando por cima da legislação. Um exemplo é a denúncia da Federação Única dos Petroleiros (FUP), de que está ocorrendo em diversas refinarias turnos de 12 horas seguidas.

Essas doze horas seguidas violam a Lei 5.811/72, que instituiu o trabalho prestado em regimes especiais de turnos ininterruptos de revezamento e de sobreaviso, destinados à indústria do petróleo. Porém a empresa instituiu de forma unilateral, não foi acordada em uma negociação coletiva de trabalho.

Um absurdo, pois estamos em meio a uma pandemia, deveria-se estudar redução de turnos, para evitar uma maior contaminação. Mas os patrões, que estão apenas preocupados com seus lucros, expõem os trabalhadores às situações de contaminação e trabalho exaustivo.

“Como lembra o site da FUP durante 30 anos, o regime de 3 dias de turnos de 8 horas por 2 dias de folga, em 5 grupos, resultou de negociação coletiva de trabalho, e a respectiva cláusula normativa sempre foi renovada”.

Esse aumento da jornada tem reflexo na saúde dos trabalhadores, além do coronavírus . A Petrobrás e os petroleiros vem sendo atacados em seus direitos desde o governo FHC, com diversas atividades que foram terceirizadas, impondo regimes diferenciados para os trabalhadores.

Diante dessa barbaridade e de outras que vem ocorrendo com os direitos dos trabalhadores, devido à crise econômica de 2008, é o seu agravamento com a crise sanitária que tem gerado milhões de demissões. É preciso que a FUP vá além da briga judicial ou denuncia na internet, é preciso organizar os trabalhadores, pois o desejos dos patrões á serviço do capitalismo é terceirizar e privatizar a Petrobras.

Por uma greve dos Petroleiros, que é um setor fundamental da economia, por isso, é preciso sair da paralisia e ganhar a as ruas pelo Fora Bolsonaro e pelo fim das terceirizações, fim da jornada ininterrupta de 12 horas. Somente uma greve vai barrar as demissões e os abusos da direção.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas