Mais contaminação na Petrobrás
A política genocida do governo ilegítimo Bolsonaro tem ocasionado uma explosão da contaminação pelo covil-19 nas plataformas e dependências da Petrobras.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
94a76cd1-1869-4e17-b582-d262946eccb7
Plataforma P-50 | Ricardo Stuckert

É sistemático os caso de contaminação do covil-19 na categoria dos petroleiros, devido a política genocida do governo ilegítimo/fascista Bolsonaro e dos seus propostos à frente da empresa.

Mais casos de contaminação aconteceu aos trabalhadores do plataforma P 50 que, segundo informação do Sindipetro- NF, 13 trabalhadores, dentre efetivos e terceirizados, desembarcaram no continente após testarem positivo para o novo coronavírus, mas esses dados podem ser maiores já que a empresa se nega a dar todas as informação em relação ao contágio na plataforma.

O Sindicato da categoria denuncia a atitude da direção golpistas da Petrobras: “mesmo com o quadro grave de contaminação na plataforma, outros petroleiros estavam sendo chamados para embarque, alguns sem passar por quarentena. As informações parciais foram passadas à entidade por trabalhadores, que estão abalados com o surto a bordo.” (Site Fup 03/08/2020) e continua “o sindicato recebeu relatos de que há trabalhadores que estavam com sintomas há vários dias e só foram desembarcados neste final de semana. A entidade cobrou da Petrobrás a realização de teste PCR, que detecta a covid-19 no início, em todos os trabalhadores e trabalhadoras à bordo.” (Idem)

A política genocida do governo ilegítimo Bolsonaro tem ocasionado uma explosão da contaminação pelo covil-19 nas plataformas e dependências da Petrobras.

Os últimos dados de levantamento da contaminação divulgados em meados do mês de junho revelaram que 872 trabalhadores da Petrobras contraíram o vírus, logicamente, por conta do total descaso da direção da empresa, os números passam tranquilamente de mil trabalhadores na atual situação.

Os dados não deixa dúvida sobre a política genocida da direção da Petrobras, mas é claro, também, que os dados são subjugados, já que a empresa faz questão de escondê-los e, o governo não detém o controle de praticamente nada em relação aos dados da contaminação, no caso específico da Petrobras, de maneira geral.

O contágio nos trabalhadores da Petrobras vem se espalhando como rastilho de pólvora, sem nenhum tipo de controle, colocando em risco os trabalhadores e suas famílias. A gestão da Petrobras se recusa a atender as medidas de prevenção cobradas pela FUP, principalmente, a testagem em massa de todos petroleiros, inclusive os assintomáticos.

Num momento de risco elevado, a empresa continua ignorando as condições precárias dos petroleiros e mais ainda dos terceirizados, cuja exposição à contaminação pelo coronavírus é muito maior. O aumento exponencial do contágio do coronavírus na Petrobras está diretamente associada ao desmonte da empresa, com vista à sua privatização.

Diante desta catástrofe é preciso agir. A FUP, os sindicatos conjuntamente com a CUT devem chamar imediatamente uma greve geral da categoria. Se faz necessário então paralisar toda a produção e somente voltar com todos os itens de segurança pessoal e coletivo, adotar medidas de distanciamento,  rodízio de funcionários e mandar para casa os funcionários que são grupos de risco, pois precisam ser preservados.

Somente a luta da categoria através dos seus métodos tradicionais da classe operária poderá conter a política genocida da direção da empresa. Nesse momento só a greve nacional de toda a categoria será capaz de deter a sanha assassina do governo Bolsonaro. Se os trabalhadores podem trabalhar, também podem fazer greve e se manifestar.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas