Siga o DCO nas redes sociais

Local estratégico
Dino justifica entrega de Alcântara e acha que ainda teremos soberania
Entregar o centro de lançamento de Alcântara para os norte-americanos é perder nossa soberania sim
dinoedilma
Local estratégico
Dino justifica entrega de Alcântara e acha que ainda teremos soberania
Entregar o centro de lançamento de Alcântara para os norte-americanos é perder nossa soberania sim
Dilma e Dino. Foto: Roberto Stuckert Filho/ PR
dinoedilma
Dilma e Dino. Foto: Roberto Stuckert Filho/ PR

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), afirmou durante entrevista no programa (9/09) de Fernando Haddad nas redes sociais, que o Centro de Lançamento de Alcântara pode ser cedido aos Estados Unidos sem que o Brasil perca soberania sobre esse pedaço de seu território. Segundo a crença dele, “o Acordo [com os Estados Unidos] não impede que a Base de Alcântara amanhã seja usada por outros países”.

Haddad ainda insistiu, incrédulo, durante a entrevista:

Haddad: E é o Brasil que decide?

Dino: Claro!

Haddad: Sempre?

Dino ainda afirmou que “se amanhã o Brasil quiser sediar ou receber o lançamento, por exemplo, de um artefato – de um veículo lançador de satélite – do Canadá, poderá fazê-lo; da França, poderá fazê-lo; da Itália, poderá fazê-lo. O que o Acordo diz é que, se a tecnologia utilizada por qualquer país do mundo, por qualquer empresa privada do mundo for de origem norte-americana, determinados procedimentos deverão ser observados. Se a tecnologia não tiver nenhum componente, nenhum processo, vinculado à tecnologia norte-americana, o Acordo sequer incide.”

O governador lembrou que a Base de Alcântara é um “patrimônio do Brasil que está inutilizado há praticamente quatro décadas” e que “o domínio dos Estados Unidos, nesse setor, é indiscutível: há componentes norte-americanos em cerca de 80% dos satélites e objetos espaciais. Isso quer dizer que, sem um acordo mínimo entre Estados Unidos e Brasil, Alcântara teria, na prática, pouca ou nenhuma utilidade como centro de lançamento”.

O que faltou, por exemplo, a Cuba, foi uma assessoria como a de Flávio Dino, que saberia ensinar como entregar Guantánamo para a maior potência nuclear do planeta sem perder a posse do território. Alcântara, como se vê no mapa do Google, será praticamente sede de um governo paralelo no Maranhão. Não se pode duvidar que os tentáculos da CIA e do Pentágono possam, inclusive, influenciar ou até determinar quem seja o ocupante do palácio em São Luís, do outro lado da baía. No mínimo. Para não dizer sobre o ocupante do Planalto.

Pelo acordo, os Estados Unidos vão poder fazer da base o que quiserem e os brasileiros não mais terão acesso a esse pedaço do território. Até mesmo o governador do estado, se estiver passando por ali e necessitar ir ao banheiro, vai ter de achar uma moita. Os US Marine Corps vão isolar o local e guardar os mísseis ianques apontados para a Venezuela, Bolívia e demais países da América do Sul e da África.

Em outro ponto, o próprio Dino admite que seu devaneio é impossível: se 80% dos satélites e objetos espaciais têm componentes norte-americanos, e o Brasil só poderia negociar a utilização do centro de lançamento por outros países que fossem lançar equipamentos com zero componente de fabricação dos EUA, nunca vai acontecer. É só lembrar dos aviões super-tucanos, fabricados pela nossa ex-Embraer, que foram vetados de serem exportados para alguns países, incluindo a Venezuela, porque possuíam entre seus componentes algum parafuso de fabricação dos Estados Unidos.

Donald Trump deu declaração quando seu lacaio daqui ofereceu a base. Devido à localização privilegiada, próxima à linha do equador, Alcântara proporciona uma enorme economia de combustível para colocar algum objeto em órbita, segundo palavras do próprio presidente dos Estados Unidos, satisfeitíssimo.

Alguém consegue imaginar que, ocupado pelos EUA, o centro de lançamento, em momentos de ociosidade do equipamento, possa ser relocado pelo Brasil para a China ou Rússia, caso seus foguetes e satélites não tenham nenhuma arruela de fabricação norte-americana? Claro que não. Só o governador do Maranhão.

Esse Dino acredita em cada uma. Seria ingenuidade?

Até o Haddad insistiu duas vezes na questão.