Dinheiro sujo: Colômbia recebe 32 milhões de dólares do imperialismo para campanha contra a Venezuela

dolar

Da redação – A Agencia Venezolana de Noticias (AVN), divulgou matéria na última segunda-feira (5), denunciando que durante 2018, a Colômbia recebeu pelo menos US$32,4 milhões de organismos internacionais, no caso, do imperialismo norte-americano.  

Assim, deve ser dito que é uma campanha imperialista, fomentando a xenofobia dentro da América Latina contra os venezuelanos que saíram do país exatamente por conta dessa sabotagem da burguesia interna e externa. Também devemos ressaltar que essa campanha começou com a gestão do ex-presidente Juan Manuel Santos e que continua com seu sucessor, Iván Duque, e mais, que a finalidade desse dinheiro todo é aumentar ainda mais a crise que, como está claro agora, foi criada pela burguesia contra o governo bolivariano eleito pelo povo.

E a matéria da agência venezuela desnuda ainda mais a situação colocando as declarações do governo colombiano, que vem declarando sentir-se incapaz de atender – sem a ajuda internacional -, os migrantes venezuelanos que chegaram ao país vizinho após a intensa campanha midiática com o uso das fake news – o que os capachos dos norte-americanos escondem em sua retórica cínica.

Os números divulgados foram: em março deste ano, a Colômbia recebeu uma primeira doação dos Estados Unidos, especificamente da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (Usaid), que destinou US$2,5 milhões. No mesmo mês, nova doação vinda da União Europeia, pasmem, com o mesmo valor, só que em euros, 2,5 milhões (US$4 milhões). Um mês depois, o subsecretário de Estado dos EUA, John Sullivan, anunciou que os Estados Unidos dariam mais um “suporte benevolente” no valor de US$18,5 milhões, e, em agosto, mais US$9 milhões.

Como os EUA adoram passar uma impressão de democratas, o vice-presidente, Mike Pence, anunciou um novo pacote de “ajuda” de US$48 milhões para os países da América Latina, onde, onde os EUA já orquestraram inúmeros golpes de Estado e foram  responsáveis por torturar e matar milhões de pessoas, roubando suas economias.

A denúncia do governo venezuelano também demonstra que o ex-ministro da Fazenda, Mauricio Cárdenas, em fevereiro deste ano disse em entrevista à Reuters que seu país esperava conseguir US$60 bilhões, o que é muito dinheiro. Sua nação ligou ainda para as agências de crédito internacionais, preparando um plano de resgate financeiro por uns US$60 bilhões para a Venezuela se o presidente constitucional, Nicolás Maduro caísse ou fosse retirado do poder. “O que ocorre quando cair? Nós não deveríamos improvisar. Deveria existir um plano, porque a necessitará apoio financeiro”, disse o serviçal.

E, por final, vale ressaltar que na Venezuela moram 5,6 milhões de colombianos que fugiram do conflito armado e do narcotráfico que sofre a nação colombiana há mais de 50 anos sob forte intervenção dos EUA. Os 335 municípios do território venezuelano contam com presença colombiana. Em Petare, no município de Sucre, convivem pelo menos 230 mil colombianos, representando 4,10% da população da Colômbia na Venezuela, mas isso, é claro que a imprensa burguesa esconde, como também a entrada da Colômbia na OTAN comandada pelo imperialismo.

Após roubar todas essas nações, o imperialismo tem o cinismo de tentar mostrar que está aí para “ajudar” esses países.