Eleições no Congresso
Em entrevista a Breno Altman, do site Ópera Mundi, Dilma denunciou a farsa da adesão da esquerda ao bloco de Rodrigo Maia em nome da “democracia.”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Former Brazilian President Dilma Rousseff speaks during a news conference in Rio de Janeiro, Brazil March 26, 2018. REUTERS/Pilar Olivares
Ex-presidenta Dilma denuncia a farsa da Frente Ampla no Congresso. | PILAR OLIVARES | Crédito: REUTERS.
Former Brazilian President Dilma Rousseff speaks during a news conference in Rio de Janeiro, Brazil March 26, 2018. REUTERS/Pilar Olivares
Ex-presidenta Dilma denuncia a farsa da Frente Ampla no Congresso. | PILAR OLIVARES | Crédito: REUTERS.

A ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) concedeu uma entrevista a Breno Altman, jornalista do site Ópera Mundi.  Um dos temas polêmicos da entrevista foi a articulação da Frente Ampla na eleição para a presidência da Câmara dos Deputados, que levou os partidos de esquerda (PT, PCdoB, PSB, PDT e PSOL) a entrar no bloco político de Rodrigo Maia (DEM-RJ) e apoiar seu candidato, Baleia Rossi (MDB-SP), contra o candidato de Jair Bolsonaro, Arthur Lira (Progressistas-AL).

Dilma foi clara e disse que não há diferenças substanciais entre os três candidatos da direita, Baleia Rossi, Arthur Lira e Aguinaldo Ribeiro (Progressistas-PB). Quando foi dito que a Frente Ampla tem por finalidade a defesa da democracia, a ex-presidenta indagou: “Tem alguém mais contra a democracia do que foi o (P)MDB nos últimos tempos?”.

O MDB de Michel Temer, Eduardo Cunha, Baleia Rossi foi um dos principais conspiradores no golpe de Estado de 2016, que se materializou com o impeachment ilegal e fraudulento da ex-presidenta eleita no Congresso Nacional, com participação do Alto Comando das Forças Armadas, do Supremo Tribunal Federal e dos demais partidos burgueses (PSDB, DEM, Progressistas, Republicanos, PSD, PTB, SD) que controlavam as duas casas legislativas. Sobre a questão das ameaças de golpe de Jair Bolsonaro (ex-PSL, sem partido), Dilma destacou que se atrelar ao MDB é uma ilusão, pois “golpe por golpe, eles deram um”.

A existência de um centro político democrático foi questionada. Dilma disse que não se pode acreditar que Baleia Rossi vai ser uma oposição a Bolsonaro. Se eleito, o emedebista “vai ser capturado por Bolsonaro no momento seguinte”. O que é um raciocínio correto, tendo em vista que o líder do governo Bolsonaro no Senado Federal é Fernando Bezerra Coelho, do MDB. No Distrito Federal, o governador emedebista Ibaneis Rocha é um aliado de Bolsonaro. Este partido faz parte da base de apoio do governo federal na Câmara. Inclusive, o presidente recebeu convite de filiação do próprio MDB.

Desde que aconteceu o golpe de Estado, o MDB atuou em conjunto com os partidos políticos DEM, PSDB, PTB, Progressistas, Republicanos, SD, PSD para implementar todos os maiores ataques aos direitos dos trabalhadores das últimas décadas. A PEC do Teto dos Gastos congelou o orçamento de 2016 até 2036; a Reforma da Previdência criou dificuldades excepcionais para a aposentadoria e rebaixou ainda mais seu valor; a Reforma Trabalhista rasgou a CLT e retirou uma série de direitos trabalhistas; a lei das Terceirizações Gerais permitiu a terceirização das atividades-fim; o petróleo, o patrimônio público nacional, recursos naturais e o meio ambiente foram entregues para o capital internacional.

A articulação da Frente Ampla é uma manobra da burguesia para atrelar os partidos de esquerda, em particular o PT à sua política. Trata-se de “virar a página do golpe”, ou seja, de transformar os golpistas neoliberais em arautos da democracia contra Jair Bolsonaro. Contudo, os “democratas” são aqueles que sustentam o governo Bolsonaro.

A prisão política do ex-presidente Lula (PT) pelos procuradores da Lava-Jato, em meio às eleições presidenciais de 2018, foi apoiada, estimulada e sustentada pelos partidos burgueses  (PSDB, DEM, MDB, Progressistas, Republicanos, PTB, SD, PSD) agora travestidos de “democratas”. Eles colocaram os fascistas nas ruas para aterrorizar a esquerda e os movimentos sociais e atacar quem se vestia de vermelho. Armaram os protestos falsos dos camisas verde-amarelas para criar condições políticas para derrubar o governo Dilma. Novamente em 2018, quando o PT capitulou e substituiu a candidatura de Lula por Fernando Haddad, estes partidos burgueses se unificaram com a extrema-direita bolsonarista para impedir a volta do PT.

Atualmente, existem cerca de 56 pedidos de impeachment contra o governo Bolsonaro. O “democrata” Rodrigo Maia, presidente da Câmara, já afirmou que não vai colocar nenhum em votação, pois não vê motivos para que o governo Bolsonaro seja retirado, apesar dos mais de 7 milhões de infecções pelo coronavírus, 190 mil mortos oficiais, escalada da pobreza e miséria e ameaças de intervenção militar e fechamento do próprio Congresso Nacional.

No governo Bolsonaro, são mais de 6 mil militares das Forças Armadas da ativa e da reserva em postos civis. A imprensa noticiou que o governo se utiliza das agências de monitoramento para vigiar opositores políticos. A prática de elaboração de listas de opositores tornou-se recorrente. Tudo isso com a conivência dos “democratas”, que agora querem fingir que são contra o bolsonarismo.

O apoio da esquerda frente-amplista ao bloco de Rodrigo Maia representa mais uma capitulação vergonhosa e sua integração ao regime político golpista, dominado pelas forças à serviço do imperialismo. A ex-presidenta Dilma Rousseff está correta, é preciso se opor a essa articulação que somente fortalece os golpistas e a própria extrema-direita bolsonarista e anula as forças de esquerda para 2022.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas