Diário esportivo argentino destaca atuação do Palmeiras, adversário do Boca Juniors na semifinal da Libertadores

O mais importante diário esportivo da Argentina, o jornal Olé deu destaque a grande atuação do Palmeiras neste domingo, quando o time que será adversário do Boca Juniors, em uma das semifinais da Copa Libertadores venceu o Grêmio (adversário de outro argentino, o River Plate, também pelas semifinais da Libertadores) pelo placar de 2 x 0. O diário do país vizinho destaca a boa atuação dos comandados de Felipe Scolari, que marcou do princípio ao fim da partida, não dando qualquer chance ao time gaúcho.

O esportivo argentino destaca ainda quer por conta da data FIFA o campeonato local foi paralisado, o que não aconteceu com o “Brasileirão”, onde todos os times que disputam a competição estiveram em ação. Ao colocar em relevo a atuação de um dos adversários dos argentinos no quadrangular final da Libertadores, a crônica esportiva do país vizinho está deixando um alerta aos dois times portenhos que enfrentarão os brasileiros. O River Plate terá pela frente o Grêmio e o Boca Juniors enfrentará o Palmeiras.

Felipão comanda ascensão palmeirense no segundo semestre da temporada

Chamado pela diretoria do “Verdão” para substituir o então técnico Roger Machado, que não conseguiu estabilizar a equipe, com uma campanha considerada muito irregular, com altos e baixos, o experiente e vitorioso técnico Felipe Scolari assumiu o time depois da derrota para o Fluminense em 25 de julho, quando Roger Machado foi demitido. De lá para cá o Palmeiras vem experimentando uma ascensão meteórica e os números falam por si só: São 14 partidas invictas, com 10 vitórias e 4 empates, números registrados nas competições que o “Verdão” vem disputando e disputou (Brasileirão, Copa do Brasil e Libertadores). Neste momento o time lidera a competição nacional com 59 pontos e é um dos fortes candidatos à conquista do título. O futebol que a equipe vem praticando tem a marca de Felipão, com forte marcação, pressão na saída de bola do adversário e alta eficiência nas conclusões finais.

Depois da Copa de 2014, quando uma intensa campanha de ataques ao futebol brasileiro foi levada a cabo pelos inimigos do melhor futebol do mundo, Felipão foi execrado pela “crítica especializada”, que o classificou como um técnico portador de ideias, concepções e esquemas superados e antiquados. O técnico pentacampeão do mundo, no entanto, continuou fiel ao seu esquema “superado”, convidado a dirigir times em outras praças do futebol ao redor do mundo. O ressurgimento de Felipão no futebol brasileiro dirigindo uma grande equipe e colocando-a no patamar superior das competições que participa é a prova cabal de que por estas terras ainda se pratica o melhor futebol, reconhecido e respeitado por todo o mundo.