Trabalhadores sem salário
Sem salário há dois meses, repórteres do Diário de Pernambuco precisam declarar greve já!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Pe
Trabalhadores do Diário de Pernambuco | Foto: Fenaj

Com pagamento irregular desde 2019 e há mais de dois meses sem receber qualquer salário, os trabalhadores repórteres do Jornal Diário de Pernambuco se reuniram em assembleia extraordinária no dia 20 deste mês e decidiram, por voto da maioria, declarar Estado de Greve.

Não é coisa recente os ataques que os trabalhadores sofrem de seus patrões. Em 2018, os repórteres foram chantageados com a proposta vergonhosa de escolherem entre serem demitidos ou terem seus salários reduzidos, isso com a desculpa, que mais parece ameaça, de que o jornal estaria passando por uma crise financeira. Em 2019, foram constantes os atrasos de pagamento, inclusive sem recebimento do décimo terceiro salário e, novamente, os trabalhadores foram chantageados com a ameaça fechar o jornal ou mantê-lo como uma cooperativa de jornalistas, o que tiraria os jornalistas contratados da função de trabalhadores e os tornariam afiliados ou sócios do jornal, numa clássica jogada atual de intitular como empreendedor o trabalhador precarizado e sem direitos.   

Como geralmente acontece nas lutas sindicais, representantes do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado (Sinjope) e uma Comissão de Trabalhadores – criada na assembleia –  tentarão negociar com os patrões e buscarão resolver os problemas pelos meios judiciais. No entanto, fatos históricos recentes mostram que essa estratégia não tem funcionado, pois em anos anteriores  buscou-se esse método de negociação e diálogo, sem resultados. O próprio Ministério Público do Trabalho (MPT) abre brechas para legitimar o descaso da empresa com os trabalhadores ao indicar que, para resolver os problemas dos trabalhadores, deve-se antes considerar as condições financeiras da empresa. Como se fosse aceitável o trabalhador não receber seu salário se o patrão decidir inventar que a empresa está falida ou sem capital.

Vale ressaltar que o Jornal Diário de Pernambuco é membro do grupo Diários associados, o terceiro maior conglomerado de mídias do país e que, em tempos passados, já foi considerado a maior organização de imprensa do Brasil, ou seja, um monopólio midiático nacional, que anualmente arrecada lucros exorbitantes para os grandes capitalistas através de notícias golpistas, informações distorcidas e manipulações de fatos em defesa de grandes corporações e contra os cidadãos em geral,  enquanto seus trabalhadores são diariamente explorados e chantageados com ameaças de demissões. Deve-se igualmente ressaltar que os jornalistas são uma classe trabalhadora frequentemente sucateada e que perdeu muitos direitos elementares nos últimos anos. Sem direitos trabalhistas, são estes profissionais que se arriscam diariamente para produzir matérias e reportagens que garantam os lucros dos grandes capitalistas dos monopólio midiático nacional. E por pressão dos patrões, também são esses profissionais frequentemente levados a produzir informações duvidosas que manipulam a informação pública contra a própria população, ferindo assim a liberdade de produção intelectual do trabalhador. 

A realidade posta é de frequente ataque aos direitos conquistados pelos trabalhadores jornalistas do Diário de Pernambuco e também de todas as outras categorias profissionais. No sistema de lucro capitalista, é interessante aos grandes empresários e aos monopólios que o trabalhador  gere o máximo de lucros e receba o mínimo possível pela trabalho oferecido. O trabalhador é apenas mais uma ferramenta do sistema, é visto pelo patrão como peça substituível e de baixo valor. Diante da triste realidade, resta à classe trabalhadora se unir em luta financeira e econômica, contra seus patrões, e em luta política, contra o sistema capitalista e seus representantes. 

No Brasil, a luta política encontra o presidente golpista Bolsonaro como denominador comum que ataca a todos. Com a intensificação da crise do capital e a retirada de direitos, temos Bolsonaro como o executor máximo de todos os ataques que os trabalhadores e cidadãos em geral têm sofrido. Nesse sentido, é urgente aos trabalhadores repórteres do Diário de Pernambuco  deflagrarem greve o quanto antes exigindo a manutenção e a melhoria de seus direitos trabalhistas junto com a palavra de ordem “Fora Bolsonaro e todos os Golpistas”.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas