2 de junho de 1964: Criação da Organização pela Libertação da Palestina (OLP)

Em dois de junho de 1964 foi criada a Organização para a Libertação da Palestina (OLP).

O grupo político que representa o povo palestino (árabes que vivem na região da Palestina) localizado ao leste do Mar Mediterrâneo, surgiu para lutar pelos direitos desse povo ao seu território, aos seus direitos, e, de forma abrangente, contra o imperialismo na região.

O ataque aos povos árabes por parte do imperialismo começou na Primeira Guerra Mundial, através do acordo Sykes-Picot, efetuado pelos Ingleses e Franceses para controlar o Oriente Médio, e, é claro, o Petróleo da Região.

Mais tarde, durante a Segunda Guerra Mundial, o imperialismo precisou criar o seu enclave no Oriente Médio: criou a Organização das Nações Unidas (ONU) e tomou uma grande parte do território palestino no pós-guerra em 1948, criou o Estado de Israel. Desde então, o povo palestino precisa brigar pelo que já era seu.

A OLP conta com a reunião de diversos grupos palestinos, em um esforço conjunto e necessário de unificação contra as ofensivas do exército e do governo de Israel.

 

A guerra entre a Liga Árabe, composta do Egito, Iraque, Jordânia, Líbano, Síria e Arábia Saudita, e o Estado de Israel em 1948-49 demonstrou a necessidade da formação da OLP.

 

 

 

 

Em 1969, Yasser Arafat assumiu o comando da OLP e o objetivo central era a retomada do território Palestino. Logo ficou claro que era necessário lutar, se defender e contra-atacar o Estado de Israel.

 

Quase um milhão de palestinos foram expulsos das terras roubadas, e milhares foram mortos durante a guerra de 1948.

 

Durante os anos após, a OLP tentou acordo com o governo de Israel, mas os massacres perpetrados pelo exército israelense aos povos árabes, principalmente aos palestinos, foram se tornando cada vez mais intensos.

 

 

 

No ano de 1987, houve a primeira Intifada, ou, Levante palestino. Se defendendo como podiam, os palestinos atiravam pedras, paus, e qualquer coisa que podiam contra o genocídio que o exército Israelense perpetrava. No ano 2000, ocorreu a segunda Intifada, após os seguidos acordos com Israel eram quebrados pelos últimos.

Os acordos de paz com Israel (com o apoio do imperialismo norte-americano) foram totalmente quebrados. Israel não devolveu territórios, não abdicou da Faixa de Gaza e do território da Cisjordânia. Ao invés disso, massacra sistematicamente o povo palestino, matando, executando, bombardeando e tomando mais áreas do povo que tem aquela área por direito. Abaixo o gráfico da invasão dos Israelenses:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A OLP luta, até hoje, pelo território que é de direito dos palestinos. Luta pela autodeterminação desse povo. Obviamente, a autodeterminação de qualquer povo é o contrário de tudo o que o imperialismo quer, e durante a década de 1990, a OLP foi considerada uma facção terrorista.

 

 

 

 

 

Pequeno documentário sobre os palestinos

Documentário legendando completo mostrando a prisão em seus próprios territórios dos Palestinos