DF: Santander abre agência com apenas um funcionário

protesto-contra-demissoes-santander-5-seeb-chapeco-sc

O banco espanhol Santander deixa apenas um funcionário responsável pelo atendimento aos clientes em uma das suas agências na Capital Federal.

Em época de golpe, quando os banqueiros nacionais e internacionais foram um dos grandes financiadores; que levou ao impeachment, comprado, da presidenta Dilma Rousseff eleita democraticamente com mais de 54,5 milhões de votos; votos esses que foram rasgados e jogados na lata do lixo por 500 picaretas no reacionário Congresso Nacional. Esse setor na economia que vive em função de parasitar toda a população brasileira, os banqueiros, logo após a deposição da presidenta Dilma Rousseff, aumentaram enormemente os ataques aos trabalhadores bancários.

Demissões em massa, fechamento de centenas de agências, transferências de funcionários compulsoriamente, descomissionamento, assédio moral são apenas alguns exemplos da política dos banqueiros com a categoria bancária.

Dentre tantas atrocidades cometidas pelos banqueiros, mais uma chama atenção pelo grau de exploração aos trabalhadores. Em um posto de atendimento do Banco Santander, localizado na cidade satélite de Samambaia, o funcionário pede para que não identifiquem a agência com medo de represália, apenas um funcionário realiza todas as funções da dependência. Ao mesmo tempo que é caixa, também é gerente, tesoureiro, abastecedor de caixas eletrônicos, atendente, etc. Um verdadeiro absurdo. Está apenas faltando, e isso não é ficção acontece na vida real em outras empresas, mandarem ao funcionário usar fralda descartada e pendurar uma garrafa d’água no pescoço para que ele fique 24h ligado, sem descanso, ao trabalho.

Os trabalhadores bancários não devem aceitar mais esse desrespeito com os trabalhadores. Os banqueiros e seus governos partiram para cima para eliminar todos os direitos e da categoria conquistados através de muitas lutas ao longo dos últimos 100 anos. Os bancários devem organizar, imediatamente, junto com outros setores, em uma grande mobilização para barrar o golpe e todas as suas medidas de ataques à classe trabalhadora.