Movimento estudantil nas ruas!
O comitê Estudantes em Luta e a AJR realizaram um ato simbólico em frente a Reitoria da UnB
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ccdd737f-e643-4e7b-824a-3abc15de0732
Estudantes e professores em frente a reitoria da UnB neste sábado | Foto: Uriel Schramm

Neste sábado, dia 4 de julho, 22 estudantes e professores se organizaram em um ato contra o governo fascista de Bolsonaro e de Ibaneis no Distrito Federal. A manifestação foi em um lugar histórico da luta estudantil, em frente à reitoria da Universidade de Brasília (UnB). Com as falas de estudantes e dos professores o que ficou frisado é a necessidade de defender a mobilização até as últimas consequências. “Só com o povo na rua é possível combater Bolsonaro”, como ressaltou o professor universitário André Barros.

Os Estudantes em Luta, organização independente formada por diversos grêmios e estudantes secundaristas e universitários, em conjunto com a Aliança da Juventude Revolucionária (AJR), diante da radicalização política durante a crise, puxou o ato justamente para deixar claro que os estudantes, e toda a esquerda, querem e precisam se mobilizar para fazer frente aos ataques da direita. Também foram criticadas as posições da UNE e da UBES e de diversas organizações do movimento estudantil, as quais se recusam a organizar os estudantes e sair às ruas e ficam com uma política completamente a reboque da dos genocidas. O professor sindicalista Neuder Bastos, também denunciou as direções pelegas do Sinpro-df, que fecharam sua sede, e pior, cederam ela para Ibaneis.

Na última semana, na quinta-feira (2), Ibaneis lançou o protocolo de reabertura total do comércio e de volta às aulas. Com o número de mortos e de contaminados aumentando exponencialmente, a direita avança com a flexibilização da quarentena e com o genocídio da população. A juventude, a qual vem sendo esmagada pelo atual governo é um dos setores que mais sofre com esse programa, e a volta às aulas, como foi colocado diversas vezes no ato, é um projeto para assassinar os estudantes, os funcionários, os professores e suas famílias.

Para lutar organizadamente, o comitê defende as tarefas propostas pelo manifesto da AJR, contra todos os ataques a juventude e principalmente contra o ensino à distância e contra o retorno do ensino presencial antes que seja seguro. Militante da AJR e do comitê, além de estudante da UnB, Uriel Schramm reforçou um dos pontos do programa defendido, “são os estudantes, os professores, e os funcionários que precisam organizar todo o calendário letivo, como e quando as aulas devem acontecer, pela gestão tripartite nas escolas!”.  

Na UnB, o ensino remoto avança para se tornar o método oficial de ensino para os próximos semestres. Nessa decisão não existe nenhum diálogo com estudantes, sendo que muitos não têm acesso ou disponibilidade nas plataformas desorganizadas, e que o “ensino remoto” um nome mais adornado para o Ensino à Distância (EAD), faz parte do projeto de desmonte do ensino público e do sucateamento da educação.

Nas escolas secundaristas, como falou a presidente do Grêmio do CEAN em entrevista, Isadora Roitman, é ainda mais autoritário, os alunos já estão sendo forçados a fazer o EAD e dia 14 ele se tornará obrigatório e contará frequência. Em sua escola, uma vez que os alunos estavam organizando a greve, a diretora ameaçou ligar para o conselho tutelar caso alguém não se cadastrasse na plataforma.

No ato foi decidida a participação dos estudantes em todos os próximos atos, principalmente, no dia 10, que será uma manifestação em frente ao palácio dos Buritis, convocada pelos Educadores em Luta. Assim como a participação no ato antifascista do dia 16. O movimento estudantil precisa assumir seu papel histórico e se juntar à juventude operária que já sai às ruas. O movimento Antifascista do DF, organizado por jovens, também participou do ato, e um dos seus integrantes, André Brandão, ressaltou a importância de unificar o movimento da esquerda nas ruas. Um militante do PT, conhecido como Pilha, colocou que essa união precisa ser em torno do Fora Bolsonaro, como já coloca o manifesto da AJR. É preciso ampliar a iniciativa do comitê e convocar as bases do movimento estudantil para saírem às ruas e pressionarem suas direções, exigindo a derrubada do governo de Bolsonaro e dos golpistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas