Golpe de Estado de 2016
Altamente contagioso, com sintomas parecidos ao Corona vírus, sarampo faz vítimas em todo país. E os culpados, nesse momento fazem demagogia com a vacina do Covid-19
Surto de sarampo no Brasil pós golpe de Estado | Foto: lolostock/iStock
Surto de sarampo no Brasil pós golpe de Estado | Foto: lolostock/iStock

Entre toda a demagogia que vem sendo feita em torno da vacina contra o Covid-19 pelos governos direitistas no Brasil, em espetáculos “comoventes”, como foi o do governador de São Paulo, chorando, ao aplicar a primeira dose em mulher negra que trabalha no setor da saúde do Estado. Temos também no país um surto de sarampo que leva a morte sequelas dos infectados, em sua maioria crianças, devido justamente a destruição do sistema de saúde brasileiro, por conta desses golpistas ditos “científicos”, que agora posam todos pomposos para fotos que aparecem em toda imprensa capitalista como os “heróis do povo” e na falsa luta contra o corona vírus. Em 2019 por exemplo, o estado governado pelo Dória do PSDB registrou uma quantidade de casos muito superior ao resto do país.

É importante ressaltar que o sarampo é uma doença infeciosa grave, causada por um vírus, que pode ser fatal ou deixar sequelas pelo resto da vida. Em uma entrevista feita pelo site da Fiocruz, com a pediatra Elvira Alonso, da Assessoria Clínica de Bio-Manguinhos. “O sarampo é altamente contagioso; uma pessoa infectada pode transmitir a doença para de 15 a 20 pessoas próximas que não estejam imunizadas” afirma Alonso. Só para comparar, uma pessoa contaminada por Covid-19 infecta entre 2 e 3 pessoas. A única maneira de evitar o sarampo é por meio da vacinação, que é principal forma de prevenir a doença. O imunizante conhecido é o tríplice viral, protege contra os vírus causadores de sarampo, caxumba e rubéola, e durante décadas está disponível no Sistema Único de Saúde. A recomendação é duas doses, uma quando completa 1 ano de vida e a outra aos 29 anos de idade, no entanto isso não está acontecendo.

Em 2016, ano em que direita “civilizada” junto aos setores mais criminosos do imperialismo, principalmente o norte americano, montaram todo um circo fraudulento, com apoio de frações da esquerda pequeno burguesa, para dar o golpe de Estado no Brasil contra a ex-presidenta Dilma Rousseff do PT, era o ano em que o país recebia da Organização Pan Americana de Saúde (OPAS/OMS) um certificado de erradicação do sarampo. O golpe de Estado orquestrado pela burguesia, tinha por objetivo aplicar o que há de pior da política neoliberal contra a população brasileira. Os ataques dessa politica visa acabar com tudo que é estatal, saúde e educação são os primeiros a sentir os efeitos catastróficos desse tipo de sistema econômico perverso.

Em 2017, com a devastação do sistema de saúde nacional em andamento, de acordo com os dados levantados pelo O Globo, a primeira e segunda doses da tríplice viral em crianças, não alcançou os 95% de cobertura necessários para deixar a população protegida. Em 2018 o Brasil registrou 10.274 diagnósticos positivos da doença, com o surto ocorrendo no Amazonas e em Roraima. Naquele ano 12 pessoas morreram em decorrência da doença. Em 2019, a doença se alastra e o país perde o reconhecimento das organizações mundiais de saúde, na contenção e o fim do sarampo. Diante da crise do agravamento da doença no país o Ministério da Saúde implementou no segundo semestre de 2019, uma dose zero da tríplice viral, indicada para crianças a partir de 6 meses, que vivem em estados com surto ativo de sarampo.

O número de casos registrados em 2019, teve um aumento de quase 100% em relação ao ano interior. O país atingiu a marca de 18.203 infectados e 15 mortes – 3 a mais que em 2018. Segundo o ministério da Saúde, 88,4% dos total de casos confirmados se concentra no Estado de São Paulo, governado pelo fascista João Dória, onde quase metade dos municípios registrou pelo menos um caso, seguido do Paraná, Rio de Janeiro, Pernambuco, Santa Catarina, Minas Gerais e Pará. A meta de vacinação em 2019, ficou longe de ser alcançada, crianças de 2 a 4 anos, por exemplo, das quase 1 milhão de que deveriam ser vacinadas, apenas 100.676 conseguiram a aplicação da dose. Entre 20 e 29 anos, foram somente 1.881.214 doses aplicadas, e 9.427.379 não vacinados. Sendo assim, 10,25 milhões de pessoas deixaram de ser vacinadas naquele ano.

No ano passado, 2020, onde tivemos oficialmente o inicio da pandemia de Covid-19 no Brasil, foram confirmados 8.419 casos de sarampo no país e há ainda 371 casos em investigação, destes foram 7 mortes registradas sendo 6 crianças com menos de 18 meses e um homem de 34 anos, até o dia 19 de dezembro. Nenhum deles tinha histórico de vacinação contra a doença. A pior situação foi confirmada no Pará, com 5.375 diagnósticos e cinco mortes (dois residentes no município de Belém, dois em Novo Repartimento e um em Igarapé-Miri), em segundo lugar está o Rio de Janeiro, com 1.347 casos e uma morte, na sequência, vem São Paulo com 864 diagnósticos e uma morte, seguido pelo Paraná, 377 casos, o Amapá 177 pessoas infectadas, Santa Catarina 110 positivados, e outros 15 estados apresentam menos de 100 casos da doença. No entanto fica a duvida, será que estes números não podem estar subnotificados como é caso dos números Covid-19 no Brasil?

O Pará tinha como meta vacinar 3,4 milhões de pessoas ao longo de 2020, apenas 26% do publico alvo, cerca de 900 mil adultos receberam suas doses. A situação piora quando analisamos o país inteiro, a etapa de vacinação contra o sarampo iniciada em 16 de março até 29 de outubro, 11,7 milhões de brasileiros de 20 a 49 anos foram imunizados, isso é correspondente a 13% da meta. A situação é extremamente preocupante, o colapso do sistema de saúde, falta de investimento, descaso, a falta de profissionais de saúde, leva-se em conta que atualmente quase não se vê campanha de vacinação em praticamente lugar nenhum, tudo isso é culpa dos governos federais, estaduais e municipais. Esse é resultado direto das politicas econômicas, os cortes de gastos (Projeto de Emenda Constitucional 95, conhecida como a PEC da morte) e os ataques implementados pelos golpistas após a derrubada do governo do PT contra a população e a saúde pública no país.

O descontrole da doença também atinge outros países, segundo a Organização Mundial de Saúde, em 2019 as mortes por sarampo atingiram a maior alta em 23 anos, 207.500 morreram em todo planeta, provando claramente todo o fracasso e o quão é desumano o sistema capitalista e sua crise que se aprofunda. Hoje quando vemos o falso “empenho” apresentado pela imprensa burguesa de que os governantes direitistas, de uma forma ou outra todos ligados ao golpe de estado, estão na “luta pela vida da população” contra o Covid-19, devemos lembrar que a situação trágica de saúde que passa o país, está ligada diretamente a politica que essa direita tem apoiado e colocada em ação, é preciso barrar esse genocídio colocando a população nas ruas, para por abaixo todo o regime golpista de conjunto e o governo fraudulento de Bolsonaro, que são os verdadeiros inimigos declarados do povo.

Relacionadas
Send this to a friend