Indígenas são expulsos violentamente pela polícia de suas terras no Mato Grosso do Sul

indigenas_ms

No domingo (26/08), policiais fortemente armados e com apoio de um helicóptero realizaram um despejo violento de um grupo de indígenas Guarani-Kaiowá dentro de suas terras identificadas de uso tradicional pelo Estado brasileiro.

A ação ocorreu no município de Caarapó, Mato Grosso do Sul, na chamada tekoha Guapo’y fica dentro da Terra Indígena Dourados-Amambaipegua I. O governo golpista do Mato Grosso do Sul organizou uma verdadeira operação de guerra para massacrar os indígenas no local,  com helicóptero, dezenas de homens do pelotões do Batalhão de Choque, Força Tática e do Departamento de Operações de Fronteira (DOF). Na comunidade haviam 24 famílias e aproximadamente 40 crianças, que foram atacadas sem nenhum pudor.

Os vídeos da ação mostram que os policiais atuam como verdadeiros pistoleiros dos latifundiários e atacam os indígenas com extrema violência e sem nenhum critério ou medo de represálias.

Os indígenas foram massacrados pelos policiais, que em terra cercaram os indígenas atirando balas de borracha e gás lacrimogêneo, enquanto o helicóptero atirava diretamente e realizava rasantes que causavam ainda mais pânico na comunidade.

Os indígenas que tentaram fugir do massacre foram perseguidos e atropelados pelos policiais. Segundo as informações quatro indígenas foram atropelados na tentativa de fugir do massacre. Seis indígenas foram gravemente feridos pela balas de borracha e uma indígena teve que ser internada devido aos ferimentos e intoxicação.

A ação começou após pistoleiros que realizavam a segurança do latifúndio próximo a comunidade atirarem com fogos em direção a uma indígena que colhia mandioca. A ação forjada foi a desculpa para o governo do Estado realizar toda a operação para massacrar os indígenas e retomar o latifúndio demarcado como Terra Indígena.

A região é palco de inúmeros conflitos, violência e mortes de indígenas com a participação de policiais e políticos ligados ao latifúndio. E após o golpe vem se agravando e os indígenas estão a mercê da ação dos latifundiários, policiais e suas milícias fascistas travestidas de empresas de segurança.

É preciso denunciar a ação do Estado e da polícia que atua em defesa do latifúndio contra os povos indígenas e criar comitês de autodefesa dos indígenas para defender seus direitos, territórios e suas famílias da violência dos golpistas e latifundiários.