Destruição da Cultura
Vale lembrar que se trata bem mais que do que a venda de uma empresa para o benefício do setor privado, significa também um criminoso ataque à cultura e economia nacionais
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
historia02
Escola de Cinema Darcy Ribeiro | Foto: Reprodução/escoladarcyribeiro.org.br

A Escola de Cinema Darcy Ribeiro, patrimônio histórico, cultural e imaterial do RJ, é um dos grandes centros de referência na formação e produção cinematográfica brasileira. A construção histórica data do início do século XX e a Escola mantém suas atividades há mais de 20 anos nesta sede.

Em meio ao projeto de destruição do Brasil pela via das privatizações, o centro encontra-se ameaçado. Isso porque o edifício pertence aos Correios, que pretende torná-lo sede estadual – tema de uma Audiência Pública na última quarta-feira (12).

Em nota, no início do ano, a Escola já havia comunicado tais intenções:

“A Escola de Cinema Darcy Ribeiro (ECDR) informa que, de fato, recebeu um comunicado dos Correios, em 2019, solicitando a entrega do edifício em que, há 20 anos, promove a educação e a cultura por meio da formação profissional no setor audiovisual. Desde então, temos empreendido todos os esforços junto aos gestores dos Correios, de forma a podermos dar continuidade às nossas atividades educacionais e sociais no imóvel.”

Vale lembrar que se trata bem mais que do que a venda de uma empresa para o benefício do setor privado, significa também um criminoso ataque à cultura e economia nacionais, dado que, como nos lembra o vereador Reimont (PT), “o audiovisual fatura R$ 55,4 bilhões no país e R$ 2,7 bilhões em arrecadação de impostos. Só no Rio de Janeiro são 11 mil trabalhadores na área”.

A escola recorreu à justiça para se defender da ofensiva privatista.

“Nós tivemos que nos mobilizar neste momento, com os advogados, e tentar responder. Passamos todo o período da Covid-19 cuidando dessa questão judicial. A escola, inicialmente, ganhou, depois perdeu… e no fim, por todos os processos, com mandato de segurança, seguiu ao STJ e a escola perdeu”, disse Irene Ferraz, diretora e fundadora da escola, em entrevista ao RJ2.

Contudo, infelizmente, nesta decisão, não caberá mais recurso judicial algum, o que fará com que neste sábado (15) a escola seja despejada. O que deixa claro que as instituições da burguesia tem como papel legitimar os arbítrios contra ao povo, logo, só a mobilização pode reverter ataques como esse.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas