Desmatamento cresce em julho e corresponde a 30% dos últimos 12 meses

Desmatamento-Foto-Felipe-Werneck-Ibama

Os últimos dados divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) sobre o desmatamento na Amazônia, continuam a evidenciar os resultados catastróficos da política predatória do governo fascista de Jair Bolsonaro.

Através do Sistema de Detecção do Desmatamento na Amazônia Legal em Tempo Real (Deter), o Inpe registrou um aumento acentuado dos números relativos ao desmatamento em julho: a área desmatada alcançou a marca de 2.254 km², o que corresponde mais de 30% de todo o volume desmatado nos últimos 12 meses, de agosto de 2018 a julho de 2019, período em que o volume total do desmatamento chegou a 6.833 km². Comparando-se com os dados do mês de julho de 2018,  quando foram registrados 596,6 km² de desmatamento, verifica-se que a devastação em julho de 2019 atingiu uma área 278% maior.

A política bolsonarista para a Amazônia é a de incentivo total ao desmatamento (legal e ilegal). Os dados alarmantes publicados nos últimos meses têm incomodado bastante o governo, que questiona sistematicamente a veracidade das informações e, inclusive, já demitiu o então chefe do Inpe, Ricardo Galvão, e substituiu-o interinamente pelo coronel da reserva da Aeronáutica, Darcton Policarpo Damião, o que deixa claro a pretensão de ocultar a sua política e estabelecer uma verdadeira censura oficial no órgão fiscalizador.

A política de desmatamento voraz e desenfreado, além de favorecer a grilagem de terras públicas na região e ameaçar as unidades de conservação e as terras indígenas, busca também satisfazer o enorme apetite de determinados setores capitalistas, nacionais e, sobretudo, internacionais, como o agronegócio, a indústria madeireira, o ramo da mineração, entre outros. No final das contas, trata-se de uma política de rapina e pilhagem das riquezas nacionais, que beneficia um punhado de capitalistas, esmaga os povos indígenas oprimidos e deixa uma rastro de devastação pelo caminho.

Só uma ampla e permanente mobilização popular pode barrar a ofensiva geral bolsonarista. Para tanto, é preciso derrubar todo o regime político golpista — diretriz política que se expressa na palavra de ordem “Fora Bolsonaro e todos os golpistas!”.