Uma geração condenada
Entre os universitários 56% precisaram parar com o estudo tendo em vista a necessidade de procurar trabalho
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
desemprego_01
Jovens em fila de emprego | Foto: Reprodução

Pesquisa realizada entre setembro e outubro deste ano pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br), do Comitê Gestor da Internet do Brasil (CGI.br) , apontou as causas do abandono dos estudos entre os jovens durante a pandemia de coronavírus. Participaram da entrevista promovida pelo Painel TIC Covid, 2728 pessoas usuárias de internet com idade superior a 16 anos, sendo citadas diversas causas para o abandono ou ausência nas aulas remotas no último período.

O levantamento revelou que ao contrário do que se divulga, o principal fator para a ausência nas aulas remotas é a necessidade entre os jovens de procurar por emprego, e não as dificuldades com a internet, como tem sido propagandeado. Os resultados indicam que entre os universitários 56% precisaram parar com as aulas tendo em vista a necessidade de procurar trabalho.  Apenas 34% relataram conexão de baixa qualidade e outros 32% falta de equipamentos adequados para o acesso às aulas remotas.

Os dados mostram ainda a profunda desigualdade social no País, pois 29% dos jovens de “classe” D e E não acompanham as aulas, enquanto entre os de classe A e B apenas 11% não estão estudando. Ou seja, o índice de evasão é 3 vezes maior entre os mais pobres.

Outro aspecto relevante e importante para a análise são os relatos dos motivos para abandono pela necessidade de cuidar da casa, cuidar de parentes ou filhos em 48% das respostas. Situação que atinge jovens de baixa renda e não as camadas sociais mais elevadas. Estes números revelam o impacto da crise econômica sobre as famílias. O jovem necessita trabalhar para ajudar no sustento da casa uma vez que há um desemprego histórico no país: 73 milhões de pessoas sem ocupação, vítimas das demissões massivas que ocorrem em todos os setores atém do empobrecimento geral da população brasileira diante do aumento do custo de vida durante a pandemia.

A necessidade de abandonar o estudo para trabalhar aponta para um futuro de aprofundamento da desigualdade educacional e que se refletirá também na desigualdade social. Estima-se que o rendimento de um trabalhador com nível superior seja 30% maior que um trabalhador com nível médio. É uma geração de jovens excluídos de um sistema educacional que nunca foi democrático em seu acesso, porém incluiu de maneira muito tímida a classe trabalhadora nas universidades em período recente.

Diante da crise econômica, a exclusão do jovem pobre do acesso ao estudo é a condenação de uma geração à certeza de uma vida sem perspectivas de melhorias sociais e econômicas.

A única saída para a juventude neste momento é o acesso universal ao ensino, sem processos seletivos que excluem os menos favorecidos, o boicote ao ensino à distância, que também privilegia os mais ricos, e acima de tudo a garantia de renda para as famílias para que o jovem possa estudar sem ter que assumir o papel de provedor do lar devido ao desemprego de seus pais.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas