Crise econômica
A política neoliberal defendida pelo governo golpista de Bolsonaro já deu seus frutos: uma recessão econômica histórica
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
(FILES) In this file picture taken on April 3, 2020 Brazil's Minister of Economy Paulo Guedes gestures during a press conference at Planalto Palace in Brasilia. - Guedes, the powerful free-market guru to far-right President Jair Bolsonaro, said on August 11, 2020 that two of his top deputies had resigned in a
Ministro da economia do governo Bolsonaro, Paulo Guedes governa para os bancos e empresários. | Evaristo Sa/AFP

Uma das características mais marcantes da política neoliberalista é a sua afeição com a demagogia. Desde que esta doutrina surgiu, como tentativa de resgate do imperialismo em meio à sua total falência, é apresentada como uma forma de balancear o regime, garantindo direitos tanto para os empresários, quanto para os trabalhadores. Nesse sentido, tem sido impulsionada por uma ferrenha campanha da imprensa burguesa de que é a solução para as crises econômicas de todo o mundo. Entretanto, a realidade se mostra completamente diferente da história que os patrões contam, com indicadores de miséria crescendo num ritmo nunca antes visto.

Recentemente, a farsa do neoliberalismo também encontrou seu fundamento aqui no Brasil. Por mais que tivesse espaço dentro dos governos do PT, é desde o golpe de estado de 2016, com o impeachment da ex-presidente Dilma, que iniciou-se a liberalização generalizada da economia brasileira. Temer, que começou este processo, já foi responsável por nada mais, nada menos, que a própria reforma trabalhista, avacalhando completamente os direitos trabalhistas de boa parte da população. Agora, o governo golpista de Bolsonaro, em conjunto com o “tchutchuca” Paulo Guedes, intensificam essa política que, ainda mais em época de pandemia, já resultou em níveis de desemprego completamente inéditos.

Nesta última semana, o IBGE publicou os novos dados trimestrais da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (PNAD Contínua). Segundo relatório, no terceiro trimestre de 2020 (julho-agosto-setembro), o Brasil já perdeu 790.000 postos de trabalho. Ademais, o número de desempregados no País chegou a impressionantes 14,6%, um aumento de 2,4 pontos percentuais em relação ao primeiro trimestre de 2020.

Todavia, os valores que mais chamam atenção são aqueles relacionados à juventude. Entre os jovens na faixa de 18 a 24 anos, o índice de desemprego já é mais do que o dobro da média nacional: 31,4%. Logo, cerca de um terço da juventude trabalhadora está sem serviço. Vale ressaltar que, no primeiro trimestre deste ano, essa taxa era de 27,1%. Ou seja, houve um aumento de 4,3 pontos percentuais no mesmo ano. Além disso, na faixa etária de 14 a 17 anos, a taxa de desemprego para este trimestre foi maior ainda, alcançando 44,2%. 

Os dados citados acima deixam claro qual é o objetivo de um governo do tipo de Bolsonaro: salvar os grandes capitalistas. Afinal de contas, um país que não se preocupa com sua juventude, que é o futuro deste, é, inevitavelmente, um país que não se preocupa com seu povo. Ainda mais no meio de uma das maiores crises do capitalismo, catalisada pelo novo coronavírus, é imprescindível que o governo tome um posicionamento claro a favor dos trabalhadores. Ao invés disso, Bolsonaro e Guedes escolheram os banqueiros, cedendo trilhões de reais aos bancos e, à população, um auxílio emergencial fútil.

O que deve ficar claro é que esse tipo de crise não é resultado, unicamente, da administração de Bolsonaro, como política que ele, pessoalmente, procura levar. É, na realidade, consequência clara do regime que a burguesia procura instaurar em todos os quatro cantos do Brasil e do mundo. Por conseguinte, a única saída viável para a presente crise é a mobilização popular. As vias parlamentares já se mostraram há muito inconsequentes, controladas por inteiro pelo próprio imperialismo e sua representação nacional.

A juventude tem o dever de ser vanguarda dentro do processo de derrota do golpe de estado e ir às ruas pelo Fora Bolsonaro, fora todos os golpistas, e fora imperialismo. Ademais, é preciso entender que a única saída para impedir o aprofundamento do processo golpista é por meio da unificação de toda a esquerda e de toda a classe operária em torno da candidatura de Lula. Caso contrário, seremos bombardeados por notícias como esta diariamente, representando uma verdadeira falência da economia brasileira, e o agravamento da miséria de milhões de brasileiros.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas