Golpistas atacam trabalhador
As condições de emprego se tornam cada vez mais sucateadas, jogando metade da população no desemprego
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Filas enormes atrás de vagas de emprego. |

O desemprego no Brasil atinge taxas alarmantes. São, atualmente, 12,4 milhões de desempregados, segundo os números do PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Houve um leve recuo, de 0,2% em relação ao trimestre anterior, que na verdade não pode ser comemorado. Os últimos dados disponíveis sobre as condições de trabalho mostram que o “custo unitário do trabalho” caiu 16% em 2018, ou seja, os patrões estão gastando um sexto a menos com cada trabalhador. Em síntese, enquanto o desemprego fica na casa dos 12%, com leves oscilações, as relações de trabalho se tornam cada vez mais desfavoráveis para o empregado.

Além disso, um outro contingente de tamanho parecido, 11,9 milhões, são empregados do setor privado sem carteira assinada. São 280 mil pessoas a mais, trabalhando sem direitos, do que no ano passado. E também subiu  para 24,4 milhões (1 milhão a mais do que em 2018) o número de trabalhadores por conta própria, ou seja, que se encontram à beira do desemprego, fazendo bicos, em serviços inconstantes. O número de “desalentados”, ou seja, que desistiram de procurar emprego, permaneceu estatisticamente estável, em cerca de 4,6 milhões de pessoas.

O que realmente não subiu foram os trabalhadores com carteira assinada, permanecendo na casa dos 33,2 milhões, mostrando que, embora o contingente populacional aumente, os empresários não estão nem um pouco interessados em contratar empregados numa situação de maior estabilidade e garantias dignas.

Somando-se desempregados, desalentados, trabalhadores por conta própria e sem carteira assinada, tem-se um contingente de cerca de 53 milhões de pessoas – mais da metade da população economicamente ativa. Some-se a este número milhões de crianças e adolescentes, abaixo de 18 anos, que não são considerados desempregados mas dependem e sofrem com a situação destes trabalhadores. Trata-se de uma população em situação bastante precária, potencialmente explosiva. E não há perspectivas de melhora no atual regime golpista, bolsonarista e neoliberal.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas