Crise do capitalismo
Número de desempregados cresce 4 milhões em relação a maio
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
IMG_9706
Recorde de desempregados. | Roberto Parizotti/FotosPublicas.

Com o aumento da crise capitalista, agravada pela pandemia do coronavírus, cresce o número de desempregados no país. Em novembro o número de brasileiros desempregados chegou a 14 milhões, de acordo com a Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílios. Desde maio, o número de desempregados cresceu mais de 4 milhões, um aumento de 38,6%, desde o início da pesquisa que busca apurar o resultado da pandemia no país. Este número apesar de alarmante, ainda não reflete o verdadeiro cenário de calamidade pelo qual passa o país. A taxa de informalidade no país aumentou no final do terceiro trimestre deste ano, atingindo 38,4%. Isso quer dizer que mais da metade da força de trabalho no país está desempregada ou fazendo bicos. Isso sem contar, aquelas pessoas que estão aptas a trabalhar, mas já desistiram de procurar emprego.

A política de rebaixamento dos salários dos trabalhadores e o aumento do desemprego e informalidade, são obra do projeto neoliberal do governo golpista de Bolsonaro. Não apenas deste, mas é uma obra conjunta dos golpistas que pretendem jogar o custo da crise nas costas dos trabalhadores, e isto, para salvar os banqueiros e grandes capitalistas. A transferência de renda feita pela dita reforma da Previdência, trabalhista, tributária e outras, é o maior assalto da burguesia contra a classe operária. Os números que já deixam claro a total falência do Estado nacional, em garantir o mínimo para os trabalhadores tende a ser ainda mais tenebroso com o fim do auxílio emergencial. As duas regiões que concentram os maiores percentuais de domicílios recebendo o auxílio emergencial, Norte e Nordeste, são também aqueles com maior taxa de desocupação. Neste cenário, sem emprego e sem o auxílio, a população ficará jogada a própria sorte.

Com o aumento dos casos de coronavírus, cresce a repressão dos governos estaduais e municipais a população. Agora, além de desempregada e sem qualquer tipo de política econômica que garanta o mínimo, a popualação ainda sofre com a pandemia e aumento da repressão. O imobilismo da esquerda institucional só torna o cenário ainda mais complexo. Não há outra forma de combater essa política de fome e miséria, senão a mobilização dos trabalhadores contra os golpistas que pretendem levar adiante essa política. É preciso contrapor essa política com pautas que são de interesse dos trabalhadores, como redução da jornada de trabalho, para que todos possam trabalhar, aumento dos salários e a garantia dos direitos políticos do presidente Lula. Já ficou demonstrado nas eleições municipais e nas últimas eleições federais, que não há solução para o povo quando há aliança da esquerda com a burguesia, já que foi essa mesma burguesia que garantiu e sustenta essa política genocida.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas