Avanço da Miséria
O que esses índices demonstram é o aumento do flagelo do desemprego em vários estados do país e a consequente miserabilidade que se espalha pelo Brasil.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
A woman holds her working permits at a social security office in Rio de Janeiro, Brazil on February 19, 2019. - Brazil expects to save more than $300 billion over 10 years through a bill presented to Congress Wednesday that aims to overhaul the country's unsustainable pension system, the government said. Bolsonaro personally delivered the much-anticipated text to Congress, where he was jeered and booed by leftist deputies in the opposition. (Photo by CARL DE SOUZA / AFP)
Desemprego dispara no Brasil. | Foto: Carl de Souza/AFP/Reprodução

O número de desempregados no país registrou mais uma alta. O fenômeno atingiu 11 dos 27 estados brasileiros no segundo trimestre quando comparados aos dados de janeiro a março deste ano.

A informação é da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) Trimestral realizada pelo IBGE e divulgada pelo órgão sexta-feira, 28 de agosto.

O número de desocupados registrou, de abril a junho, uma taxa de 13,3%, em oposição aos 12,2% no primeiro trimestre. Em 2019, mais precisamente no segundo trimestre, a taxa de desocupação era de 12,0%.

O estado de Sergipe registrou a maior alta do primeiro para o segundo trimestre. Neste estado a taxa de desemprego apresentou alta de 4,3 pontos porcentuais.

Uma escalada do desemprego também foi registrada nos estados do Mato Grosso do Sul (3,7 pontos porcentuais) e Rondônia (2,3 pontos porcentuais).

Ainda de acordo com o IBGE, os estados do Amapá e do Pará registraram uma queda na taxa de desemprego (-5,8 pontos porcentuais e -1,6 pontos porcentuais, respectivamente).

Todos os outros estados brasileiros teriam registrado uma constante na taxa de desemprego. Ou seja, nem empregaram nem demitiram ao ponto de fazer com que isso implicasse nos dados.

O que esses índices demonstram, por fim, é o aumento do flagelo do desemprego em vários estados do país e a consequente miserabilidade que se espalha pelo Brasil no mesmo ritmo da pandemia.

Se a economia antes do coronavírus já dava sinais de estagnação, muito em decorrência da destruição da indústria nacional pela Operação Lava Jato, com esta crise sanitária a atividade econômica foi definitivamente liquidada e levada à bancarrota.

Junto com os empregos se extingue os níveis de qualidade de vida de toda a população, que fica cada dia mais dependente de esmolas e migalhas negociadas no Congresso Nacional em troca de favores obscuros que beneficiam apenas os capitalistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas