o-ministro-da-justica-e-seguranca-publica-sergio-moro-durante-audiencia-na-comissao-de-constituicao-e-justica-do-senado-ccj-em-brasilia-1560949903551_v2_1920x1280
|

A cada reportagem do portal The Intercept Brasil sobre as conversas entre o ministro bolsonarista Sergio Moro e o procurador fascista Deltan Dallagnol, a farsa operada para prender o ex-presidente Lula e cassar seus direitos políticos se torna ainda mais escancarada. As eleições de 2018 foram uma fraude e a Operação Lava Jato é um instrumento do imperialismo para estabelecer um regime político ainda mais arbitrário no Brasil.

Em um dos vazamentos recentes, Sergio Moro aparece chamando os integrantes do Movimento Brasil Livre – MBL – de “tontos” por terem convocado um ato em frente à casa do então ministro do STF Teori Zavascki. Por esse mensagem ter vindo à tona, Moro decidiu se desculpar de seus colegas direitistas, que ajudaram a eleger Jair Bolsonaro. Esse pedido de desculpas, portanto, reforça a veracidade dos vazamentos: se fossem falsos, Moro não se daria ao trabalho de pedir desculpas.

O curioso é que Moro não reconheceu as mensagens vazadas da Lava Jato, o que torna o pedido de desculpas ao MBL ainda mais bizarro. O fato é que todo mundo sabe que as mensagens pertencem, de fato, ao ministro golpista, e nem mesmo os setores mais ignorantes da direita acreditam quando Sergio Moro fala que as mensagens são falsas. Por isso, a necessidade de se desculpar com o movimento que impulsionou a carreira de Sergio Moro como herói dos coxinhas.

A farsa da Lava Jato não se sustenta nem mesmo mais entre os direitistas que a promoveram em seu início. Por isso, é hora de a esquerda e os setores democráticos irem para cima da direita e exigir a dissolução da Lava Jato e de todas as perseguições políticas do regime golpista. É hora de aproveitar a crise intensa do governo Bolsonaro para exigir a liberdade de Lula e a derrubada de todos os golpistas, com a convocação de eleições gerais.

Relacionadas