Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Ato contra a reforma da previdência b
|

Os acontecimentos relacionados ao caso dos supostos “hackers” revelam ao menos três ameaças de grande porte do governo Bolsonaro contra os direitos democráticos mais fundamentais dos cidadãos brasileiros.

Uma delas é que Sérgio Moro, sendo um dos personagens denunciados pelos vazamentos do sítio The Intercept, quer investigar os que o denunciam. Da mesma forma que tomou parte como juiz no escândalo revelado, agora quer tomar parte como autoridade do governo. Trata-se de uma medida claramente ditatorial: não se pode mais denunciar o governo, se não o próprio governo censura e reprime quem denunciou. Um atentado contra a liberdade de expressão, podendo valer inclusive cadeia – como Bolsonaro já sugeriu contra Glenn Greenwald.

Outra é a indicação do próprio Moro de utilizar a Lei de Segurança Nacional contra “hackers” ou qualquer um que revelar segredos de interesse público, ainda mais quando são ações criminosas como o conluio do então juiz com promotores e procuradores para prenderem Lula. Isso introduz no Brasil uma derivação clara no sentido do estabelecimento de um regime arbitrário um tanto quanto sem disfarce. É uma lei da época da ditadura, um passo muito importante para a constituição de uma ditadura escancarada, que é o próprio destino lógico do governo Bolsonaro.

Além disso, através da edição da Portaria nº 666, o ministro da Justiça quer deportar estrangeiros inconvenientes, o que abriria caminho para a expulsão de Greenwald. Foi usada na República Velha para deportar inúmeros sindicalistas que eram considerados cidadãos indesejáveis – aquele que não agrada ao governo ditatorial.

Isso marca uma escalada autoritária no governo Bolsonaro. Parte da esquerda anda subestimando o governo porque ele supostamente não teria atentado contra nenhuma lei. Mas à medida que ele se sente ameaçado, passa por cima da legislação e dos direitos para afirmar a sua política. É muito evidente que o Brasil está se transformando com muita rapidez em uma ditadura aberta – já é uma ditadura, mas vai ficar mais escancarada. Já é uma ditadura, pois vemos Bolsonaro atacando todos os direitos democráticos com ajuda do judiciário, o setor mais reacionária da política burguesa. Além disso, as eleições, que são uma aparência democrática para o regime, são totalmente controladas.

Ataques de policiais em sedes do sindicatos; o general Heleno indicando membro do GSI para assessorar a reitoria da UFMS; militar filmando palestra no SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência). Tudo isso foi feito da maneira mais propositalmente ostensiva possível, às claras, para ser visto. Para fazer terror, mostrar que a polícia está aí e pode atuar quando quiser, às claras, porque está no governo. Os sem tetos do movimento MSTC de São Paulo continuam presos, mostrando que prenderam Lula e então podem prender qualquer um, pois a partir da prisão do ex-presidente, abriram o caminho para a repressão e a perseguição política generalizada.

A burguesia e a direita estão fazendo um grande esforço para impedir o aprofundamento da crise e salvar Bolsonaro – colocá-lo “na linha”. Mas o governo é muito impopular. Porém, não basta ter impopularidade para Bolsonaro cair. É preciso usar essa impopularidade e mobilizá-la para derrubar o fascista. Ele não vai cair sozinho, e pode se fortalecer ao impor derrotas à esquerda, se recuperando e estabelecendo uma ditadura. Ele é um governo fraco mas sem oposição real, no momento. Por isso, para impedir o estabelecimento de uma ditadura, é fundamental mobilizar agora, aproveitando a crise, para derrotar toda a direita golpista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas