Derrubar Bolsonaro e expulsar o imperialismo da América Latina

base militar eua

A eleição do fascista Bolsonaro à presidência da República significou o avanço do golpe de Estado no Brasil, que tem como pontos centrais promover uma profunda expropriação das massas trabalhadoras e destruir a economia nacional, ambos em para favorecer o imperialismo norte-americano, o verdadeiro cabeça por trás dos golpes de estado na América Latina.

Muito se tem falado no meio da esquerda pequeno-burguesa sobre a derrota que representaria para Bolsonaro, um possível impeachment do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. O que essa esquerda não entende ou pelo menos faz ouvido de mercador é que os golpes na América Latina foram promovidos não pelo setor do grande capital que Trump representa, mas justamente pela ala mais poderosa do imperialismo alinhada com o Partido Democrata e parte do Partido Republicano.

Embora Trump e Bolsonaro tenham uma aproximação de um ponto de vista ideológico (fascista), o brasileiro é um “patriota” às avessas, sua verdadeira pátria são os Estados Unidos da América. Nesse sentido, não passa de um pau-mandado, um mero serviçal dos EUA, por isso foi escolhido como o candidato do golpe.

Toda sua política e todas as suas medidas até agora são direcionadas a entregar o Brasil aos monopólios imperialistas e a soberania do país aos EUA, como comprova a declaração pública dada pelo capitão-presidente batedor de continência a autoridades e à bandeira norte-americanas em sinalizar que aceita a instalação de uma base militar dos EUA no Brasil.

Não foi para menos o contentamento com o qual se expressou o secretário de Estado de Trump, Mike Pompeo: “Essa é uma discussão colocada o tempo todo, e nós ficamos satisfeitos com a oferta do presidente Jair Bolsonaro”. Acrescentando, ainda, o avanço nas negociações para que os EUA, também se apoderem da base de Alcântara no Maranhão.

Com poucos dias de governo, Bolsonaro não tem se colocado com meias palavras para afirmar seus objetivos com relação aos país e ao povo brasileiro. Da redução do salário mínimo à liquidação dos direitos sociais, da entrega da soberania nacional à perseguição política a esquerda e aos sindicatos, em todas as áreas é uma política de terra arrasada contra o país e seu povo.

Diante do quadro de catástrofe que o golpe que nos empurrar é preciso lutar pela derrubada de Bolsonaro e pela expulsão dos imperialistas que controlam o Brasil. mas só quem tem força suficiente para isso é a classe trabalhadora organizada, a força revolucionária dos trabalhadores, porque os políticos pequeno-burgueses e o nacionalismo burguês já demonstraram a absoluta incapacidade de travar uma luta sem tréguas contra a direita e o imperialismo, como vimos recorrentemente na “luta” parlamentar e institucional levada contra o golpe de Estado no país.