Fascismo
Douglas formulou e divulgou um dossiê político com nome de quase mil pessoas declaradas “antifascistas” nas redes sociais.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
3f1a7cf0-bd2a-0138-9a9f-0a58a9feac2a--minified
Deputado Estadual Douglas Garcia (PTB), promotor da perseguição e do macarthismo. | Reprodução.

O deputado estadual Douglas Garcia (PTB-SP) foi condenado, pela segunda vez, a pagar uma indenização no valor de R$10 mil a duas pessoas.

O parlamentar fascista, ligado ao Movimento Conservador (antigo Direita São Paulo), elaborou um dossiê político que continha nomes de quase mil pessoas, onde constavam endereços residenciais e de trabalho, fotos, telefones e páginas nas redes sociais. Na ficha de algumas pessoas, constava o local onde ela era comumente vista. Há de se questionar se os órgãos de repressão do Estado, como a Polícia Militar e Polícia Civil, não contribuíram em sua elaboração.

As pessoas do dossiê se declaravam “antifascistas” nas redes sociais. O deputado elaborou e divulgou em grupos de WhatsApp o documento. Em uma transmissão em sua página do Facebook, Douglas afirmou ter enviado o dossiê para a polícia.

A elaboração de dossiês políticos para perseguição é uma medida tipicamente fascista. O que Douglas buscava era intimidar e estimular um clima de caça às bruxas, de verdadeiro macarthismo contra a esquerda. Em contexto de uma ditadura militar, o documento serviria para a repressão política, prisão, tortura e desaparecimento de opositores.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas