Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

Estima-se que exista no Brasil, perto de um milhão de trabalhadores em frigoríficos. Tomando-se por base os frigoríficos do Rio Grande do Sul, há um percentual de mais de vinte por cento de trabalhadores acidentados e um contingente de trabalhadores correspondente a 8% deste montante.

Em uma pesquisa realizada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), detectou-se que o afastamento de 20% da mão de obra em frigoríficos gaúchos ocorreu devido a doenças relacionadas ao trabalho.

Conforme a pesquisa, o ambiente frio e úmido gera depressão em 20% deste total de afastados por doenças e/ou acidentes.

Em outra pesquisa realizada em vários frigoríficos do Brasil, pela Organização Não Governamental (ONG), Repórter Brasil, denominado “Moendo Gente”, constatou-se que, no abate de aves, a chance de um trabalhador desenvolver um transtorno de humor, como uma depressão, é 3,41 vezes maior do que em qualquer outro ramo da indústria, porem no setor bovino e suíno, a proporção não se diferencia muito do frango.

Em 2016, a depressão afastou mais de 75 mil pessoas do trabalho e também já aposentou mais de 97 mil pessoas por invalidez. No entanto, esses números podem ser muito maiores, à medida que os patrões procuram ocultar, em seus relatórios boa parte dos acidentes e doenças ocupacionais dentro de suas fábricas, principalmente pelo não fornecimento do Comunicado de Acidentes do Trabalho (CAT).

De acordo com o Ministério da Previdência Social (MPS), os transtornos psicológicos aparecem como consequência das lesões. Conforme o mesmo órgão, isso ocorre pelo sentimento de culpa e sensação de inutilidade que o trabalhador desenvolve pela perda da capacidade de trabalho, por causa das lesões já sofridas.

No entanto, apesar da constatação, na maioria das vezes o trabalhador diagnosticado e, confirmada a enfermidade, o funcionário é obrigado a trabalhar sob o efeito de medicamentos fortes (tarja preta), com possibilidade de agravar ainda mais seu estado de saúde.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas