Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Prédio_da_Petrobrás
|

O texto-base da “reforma” da Previdência, aprovado no plenário da Câmara Federal no dia 10 de julho, aguarda as próximas etapas para consolidar o que já é uma das maiores operações de transferência de dinheiro dos trabalhadores para o bolso dos banqueiros e demais capitalistas, o que em outras palavras poderia ser definido como um assalto gigantesco ao mais elementar direito de todo trabalhador, que é a sua aposentadoria.

No entanto, esta ofensiva sem precedentes contra uma conquista histórica dos trabalhadores e do conjunto da população, é tão somente uma amostra do que se desenha para o momento imediato pós aprovação do ataque à Previdência. O ministro da economia, Paulo Guedes, já está a todo o vapor para anunciar um ataque ainda mais devastador à economia nacional, que são as privatizações das lucrativas e cobiçadas empresas estatais.

Estimativas ainda preliminares apontam que o programa de desestatização do governo poderá render um montante de R$ 450 bilhões. Além de empresas estatais de maior peso e lucratividade, o programa prevê também desinvestimentos, abertura de capital e vendas de participações minoritárias de estatais e suas subsidiárias. O ataque às estatais já compunha os planos do ministro “Chicago Boy” do governo desde quando Bolsonaro ainda era candidato, quando convidou Guedes para chefiar a economia; vale dizer, para comandar o ataque e a devastação contra os ativos nacionais e o patrimônio público estatal

A investida contra as estatais estava em “banho-maria”, apenas aguardando o momento oportuno para ser levado adiante. Paulo Guedes estava preocupado em não fazer “marolas” (em suas próprias palavras), pois na ordem do dia estava a necessidade da aprovação do projeto de “reforma” da Previdência. Agora, com o “terreno limpo”, Guedes e os golpistas partirão para a outra etapa da ofensiva, o ataque às estatais. Uma política criminosa e de terra arrasada contra o país e todo o povo brasileiro.

Portanto, este foi e continua sendo o sentido maior do golpe de Estado de 2016. Remover os obstáculos que impediam e dificultavam a implementação dos planos do imperialismo e da burguesia. Atacar os direitos e as conquistas dos trabalhadores, o que foi levado adiante, primeiramente, com a “reforma trabalhista”, que apenas suprimiu conquistas trabalhistas históricas dos trabalhadores e não abriu uma só vaga de emprego no país. A continuidade deste ataque monstruoso está expresso na “reforma” da Previdência, uma outra ofensiva igualmente criminosa contra a população pobre e oprimida do país. A ofensiva contra as estatais é parte e também continuidade deste plano sinistro dos golpistas, da extrema-direita, da burguesia e do imperialismo contra o país e os interesses de todo o povo trabalhador.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas