Lei das Fake news
O Facebook retirou do ar uma página que o Partido Comunista Brasileiro (PCB) mantinha na plataforma, a página de âmbito estadual pertencia ao PCB São Paulo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
censurado
Censura | Imagem: reprodução

Na terça-feira passada (14) o Facebook retirou do ar uma página que o Partido Comunista Brasileiro (PCB) mantinha na plataforma, a página de âmbito estadual pertencia ao PCB São Paulo e foi removida de forma arbitrária. A justificativa apontada pela empresa foi a de que: “removemos a Página, o Grupo ou o Evento porque são semelhantes a outros que havíamos excluído por violar nossos Padrões da Comunidade.”

O Facebook pertence ao mesmo grupo capitalista que detém várias outras plataformas de comunicação na internet, como o whatsapp e o instagram e têm seus conteúdos controlados de acordo com os interesses deste grupo. Este não é o primeiro ataque contra partidos de esquerda por meio destas plataformas, recentemente o Partido dos Trabalhadores (PT) teve bloqueada a conta do whatsapp que mantinha para se comunicar com os seus militantes.

Estas iniciativas de plataformas na internet contra partidos e organizações de esquerda encontram respaldo e incentivo na campanha da Lei da”fake news” que tem como uma de suas deliberações permitir e estimular que as administradoras das ferramentas de comunicação como Facebook e Whatsapp censurem o usuários, seja removendo comentários ou excluindo páginas e contas dos usuários sempre que violem os “padrões da comunidade”, tudo isto de forma arbitrária e unilateral sem nenhuma possibilidade de defesa prévia.

As investidas descritas aqui são mais uma prova de que a campanha contra as “fake news” é uma completa farsa e serve tão somente como mais uma arma da burguesia contra a liberdade de expressão e comunicação. Como tal deveria ser rejeitada pela esquerda,que tem por obrigação o dever de defender a liberdade e expressão da população. Ao contrário disso a esquerda de forma equivocada entrou na defesa da campanha junto com a burguesia e o próprio PT através de seus senadores aprovou a Lei das fake News, que também foi defendida pelo PCB em sua propaganda.

O chamado combate às fake news é amplamente defendido pela imprensa capitalista que mesmo sendo a maior disseminadora de notícias falsas não será atingida pela campanha e utiliza o combate às fake news para esmagar a imprensa independente e colocar a esquerda sobre uma dura censura, criando assim  melhores condições para estabelecer um regime completamente contrário aos interesses do povo.

Antes mesmo dos ataques ao PT e PCB o Facebook e a imprensa burguesa faziam campanha para censurar blogueiros e ativistas bolsonaristas, como Sara Winter, para que a burguesia exercesse controle na extrema direita. No entanto,  os ataques contra as organizações de esquerda revelam que o alvo real dessa censura é a própria esquerda por ser quem verdadeiramente está interessada em denunciar a podridão do regime político.

Os ataques da burguesia contra os partidos e organizações de esquerda diferente dos ataques contra a extrema direita, visam não o seu controle mas vão no sentido de liquidar completamente estas organizações que são as únicas que podem em alguma medida representar os interesses dos trabalhadores dentro do regime capitalista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas