Manifestação de professores
Uma manifestação de professores e diretores de escolas particulares de ensino básico ocorreu dia 25 de maio no Rio Grande do Sul.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
green-chameleon-s9CC2SKySJM-unsplash
Estudante | Foto: Reprodução/Unsplash

Diretoras e representantes de escolas de educação infantil privadas de Porto Alegre realizaram uma manifestação na manhã do dia 25 de maio, cerca de 60 pessoas participaram do ato, entre professoras e diretoras de creches, também ocorreu uma carreata com cerca de 20 carros que foi da Orla do Gasômetro até a Prefeitura no Centro da Capital, em declaração dada por uma das diretora de escolas privadas que participaram do ato afirmou:

“Nós já tivemos uma reunião com o secretário da Educação, com um infectologista, alguns membros da prefeitura e a vereadora Cláudia Araújo. Eles já estavam sabendo do nosso planejamento. Como nada foi feito e tudo foi sendo empurrado, nós resolvemos fazer esse hoje manifesto pacífico.” A declaração foi feita após a reunião que foi feita com representantes das escolas com a representantes do governo municipal.

Uma carta também foi protocolada na prefeitura, com as exigências de volta as aulas cumprindo as medidas de segurança necessárias, a prefeitura diz que irá considerar fazer estudos a respeito do pedido de volta as aulas, estudos apontam que o Brasil ainda não chegou no pico de mortes por coronavírus, o desrespeito da iniciativa privada com a vida dos trabalhadores é uma vergonha, enquanto o governo promove o genocídio dos trabalhadores, empresas privadas se mostram insustentáveis sem políticas econômicas de intervenção estatal.

Empresários usam o discursos belo de “pais precisam trabalhar e não tem onde deixar seus filhos” enquanto escondem que o governo não colocou trabalhadores essenciais para darem suas vias a morte por coronavírus ou pela fome, e sim toda a classe trabalhadora de classe baixa sem exceções, todavia a classe média permanece em quarentena em suas casas, o pedido da manifestação realizada no Rio Grande do Sul nada mais foi que empresas privadas lucrem em cima dos trabalhadores que precisam trabalhar em meio a pandemia mesmo não sendo de serviços essenciais considerados pela OMS.

A crise escancarou nada mais que, pequenas empresas precisam de intervenção estatal para sobreviverem, sem a exploração do trabalhador são insustentáveis, os empresários precisam lucrar com a falta de estrutura das creches públicas, os trabalhadores precisam ser colocados como reféns de empresários para que não declarem falência, o pedido burguês de diretores e professores de instituições de ensino básico demonstra o desespero de trabalhadores que se sujeitam a trabalhar em meio a uma pandemia por serem feitos de reféns do desemprego.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas