Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

Vinte de março último marcou o décimo quinto aniversário da invasão norte-americana do Iraque e o próximo dia 9 de abril marcará o décimo quinto aniversário da queda de Bagdá. Embora estando entre os países classificados como atrasados o Iraque tinha uma população com ótimo nível de vida, excelente sistema educacional e de saúde. Embora o governo de Saddam Hussein estivesse longe de ser modelo de respeito a diretos fundamentais, a repressão e violência era essencialmente política e os cidadãos comuns em geral não eram incomodados e as muitas etnias e religiões conviviam em paz.

Esse estado de coisas começou a chegar ao fim em 1990 quando Saddam perdeu sua condição de protegido do governo norte-americano e uma campanha de ataques militares localizados mas intensos e um feroz boicote econômico foi lançado pelos Estados Unidos. Em 1996 contabilizava-se 500.000 crianças mortas em razão das sanções. Foi nessa ocasião que a então Secretária de Estado, Madeleine Albright, afirmou em entrevista na televisão que tais mortes tinham valido a pena. Finalmente em 2003 após intensa campanha “diplomática” e de imprensa, sob o pretexto de que o governo iraquiano tinha a posse de grande quantidade de armas de destruição em massa os Estados Unidos invadiram o Iraque e depuseram o regime que o governava.

O décimo quinto aniversário da invasão do Iraque ocorre por coincidência no momento em que os mais extremistas dos neoconservadores voltaram a ocupar postos chaves na administração Trump. Neste quadro a figura que mais se destaca é o Secretário de Estado, John Bolton, que dispensa pretextos humanitários ou qualquer outro para derrubar regimes ou bombardear outros países. A volta do protagonismo desse tipo de gente equivale à reafirmação da visão prevalente entre os que decidiram invadir o Iraque em 2003.

O saldo da guerra até agora é de 1 milhão de iraquianos mortos, 4,5 milhões de refugiados internos, 5 milhões de órfãos, 2 milhões de viúvas, crianças nascidas com defeitos congênitos e altas taxas de câncer. Além disso a infraestrutura do país foi destruída e o mesmo ocorreu com seu tecido social.

Em 2007 o general reformado e ex-comandante da OTAN, Wesley Clark, revelou que em 2001 circulava pelo Pentágono um plano para atacar 7 países em 5 anos. Os países eram Iraque, Síria, Irã, Líbia, Líbano, Somália e Sudão. As consequências dessas ações se estenderam bem além dos países alvos e atingiram países do norte e centro da África e países da Ásia. Mais ainda, países centrais também sofreram os efeitos com a chegada de multidões de refugiados e do chamado “terrorismo islâmico” a seus territórios. Mesmo no Brasil os serviços de inteligência ianques tentaram introduzir a questão sem outro sucesso que a introdução de “leis anti-terrorismo”.

Diante disso é forçosa aconclusão de que estamos diante de um crime de genocídio de proporções nunca vista antes. O sistema capitalista encontra-se sobrevivendo através de aparelhos e a consequência de sua luta pela sobrevivência é a guerra declarada contra o restante do mundo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas