Siga o DCO nas redes sociais

Depois de 4881 demitidos, bolsonaristas farão novo PDV na ECT este ano
agencias correios 10
Depois de 4881 demitidos, bolsonaristas farão novo PDV na ECT este ano
agencias correios 10

O governo golpista de Jair Bolsonaro, eleito por meio da fraude eleitoral de 2018 que prendeu Lula e impediu que ele fosse candidato, anunciou que não medirá esforços para entregar a ECT (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos) para os grandes capitalistas, através de sua privatização.

Para cometer esse crime contra o patrimônio do povo, Bolsonaro, através da direção golpista da ECT, vem promovendo a demissão dos trabalhadores na empresa, afim de enxugar no máximo o número de funcionários, deixando os gastos com a mão de obra da empresa satisfatórios à sanha lucrativa desses parasitas que vierem a controlar a Estatal, como também, as demissões enfraquecerão a luta dos trabalhadores para reagir a esses ataques.

Além das perseguições aos trabalhadores, fechamento de agências, extinção de cargos, o maior número de demitidos estão sendo realizados pelo governo golpista através dos famigerados PDV (Pedido de Demissão Voluntário), uma armadilha para os trabalhadores aceitarem a sua própria demissão.

No mês de maio a junho deste ano, o governo direitista de Bolsonaro abriu o PDV nos Correios buscando demitir quase 8 mil trabalhadores, e conseguiu demitir 4881 trabalhadores, diante disso os golpistas se preparam para um novo PDV para iniciar no mês de setembro,. quando a direção golpista da ECT espera já ter encerrado as negociações da campanha salarial de 2019/2020.

Nesse sentido é preciso mobilizar os trabalhadores  dos Correios para lutar na campanha salarial da empresa contra esse política de arrocho salarial e demissões que visa a destruição da estatal. É necessário a realização de uma greve de 100% da categoria com ocupação de prédios da empresa contra o governo golpista de Bolsonaro, derrubando os golpistas numa mobilização nacional pelo Fora Bolsonaro, contra a privatização dos Correios e outras estatais, exigindo a liberdade de Lula e novas eleições.