Crise do regime
Com a derrota histórica do Partido Trabalhista para o Partido Conservador, muitos dos locais onde antes o partido de esquerda era maioria viram os partidos nacionalistas crescerem
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Bandeiras do Reino Unido e da União Europeia |

Após as eleições no Reino Unido, em que o Partido Conservador conquistou maioria no parlamento e o Partido Trabalhista sofreu uma derrota histórica, os partidos nacionalistas dos demais países (além da Inglaterra) cresceram conquistando a posição que historicamente era dos trabalhistas, fazendo as questões independentistas ficarem na ordem do dia.

O Partido Conservador de Boris Jhonson conseguiu eleger 365 deputados de 650 lugares disponíveis no parlamento, o que é mais do que os 326 necessários para se formar a maioria. Com isso, Jhonson terá o poder de realizar o brexit à sua maneira, retirando o Reino Unido da União Europeia com ou sem um acordo com o bloco europeu. O partido se deslocou mais à direita, demonstrando como o país está polarizado e como o sistema capitalista mundial se encontra em crise no momento.

Ao contrário do Partido Conservador, o Partido Trabalhista sofreu uma derrota histórica. Com capitulações antes e durante o período de eleições, como o fato de não aceitarem novas eleições logo de cara e com Jeremy Corbyn, o líder do partido e candidato a primeiro ministro, aceitando as críticas de antissemitismo ao seu partido quando na verdade deveria esclarecer sua posição contrária a Israel e em defesa da Palestina, além da maior de todas as capitulações que foi o fato de o Partido Trabalhista deixar o assunto do Brexit totalmente ligado ao Partido Conservador, se esquivando de defender aquilo que a população havia decidido sobre o assunto.

Com o descenso do partido de Corbyn, quem ganhou cadeiras foram os partidos nacionalistas dos demais países do Reino Unido. O partido Nacional Escocês, por exemplo, conseguiu 48 cadeiras de um total de 65 disponíveis para a Escócia, demonstrando sua popularidade. O líder do partido, Nicola Sturgeon, definiu que agora o que se deve fazer é pedir um novo referendo sobre a separação da Escócia do Reino Unido, para que esta se mantenha na União Europeia, já que o brexit não é tão popular para os escoceses.

É importante ressaltar que um referendo sobre a independência da Escócia foi realizado em 2014, com uma forte propaganda contraria à independência dentro da Inglaterra, que chegou a dizer que caso a Escócia saísse do Reino Unido, iria automaticamente sair da União Europeia. A independência foi vencida naquela ocasião, mas volta a pauta justamente por conta da saída da UE.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas