Frutos da frente ampla
A política da frente amplíssima defendida por setores da esquerda quer abarcar até mesmo organizações de tipo fascista para suposta luta contra o fascismo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
policia-militar-realiza-operacao-no-morro-do-fallet-no-rio-de-janeiro-rj-nesta-sexta-feira-8-durante-operacao-14-pessoas-foram-mortas-1549658574536_v2_1920x1280
Polícia Militar aponta arma para população em "operação" no Morro Fallet no Rio de Janeiro, 2019 | Foto: BETINHO CASAS NOVAS/ESTADÃO CONTEÚDO

Desde a subida de Bolsonaro ao poder, a realização de uma frente ampla contra o perigo fascista e sua ditadura é tema muito debatido no interior dos partidos da esquerda pequeno-burguesa e nas direções pequeno-burguesas das organizações operárias, camponesas e populares. A intensificação da crise política, decorrente da pandemia de coronavírus e do completo fracasso econômico do governo, que o levou a acelerar no caminho rumo a ditadura, fez o debate efervescente torna-se ação prática.

A palavra da vez é união; estendesse a mão ao antigo inimigo; apagasse antigas rusgas e velhas disputas; erigisse novas estratégias de luta tiradas passado e nele buscam os exemplos de união (Diretas já), apresentando-os, não como fracasso que foram, mas como o que há de mais moderno. Assim a esquerda estendeu a mão aos piores carrascos do povo brasileiro, que não devem nada a Bolsonaro, uma vez que estes aparentemente se colocaram contra aspectos da política bolsonarista ou por terem interesse contrastantes.

Witzel, Doria, FHC, e muitos outros, profundamente odiados pelos trabalhadores brasileiros, foram vistos como representantes de importantes setores com que se deve dialogar. Ampla união para isolar o fascismo! eis o que bradam os construtores dessa política contra os críticos.

A pequena-burguesia de esquerda, amedrontados e desesperados pela grave crise e inebriados pelo chamado à união, que para eles representa a própria salvação, ordeira e sem grandes comoções, levam o chamado ao paroxismo. Querem incluir na frente ampla uma organização fascista como a polícia militar e as polícias em geral.

“Os democratas precisam construir uma ponte, inclusive com a polícia”, exclama o jornalista Fernando Barros Silva em suas redes sociais. Segundo ele em seu post: “… o pior a fazer agora é empurrar a polícia para o colo dos inimigos da democracia. Sabemos que essa é a tendência e é isso o que querem os bolsonarismo. A violência e o caos jogam a favor da extrema-direita”. Naturalmente, que essa posição não é exclusiva, mas paira nas cabeças de um setor da esquerda.

Há aqui duas posições equivocadas, primeiro de que possa haver uma ponte que una os trabalhadores; esquerda democrática em geral e policiais, os impositores da ordem contra o fascismo, segundo, o conhecido argumento de que a reação do oprimido é causadora de uma maior opressão. Essa posição tem haver não com uma suposta estratégia de luta contra o fascismo, mas a profunda ilusão na frente ampla.

A polícia no Brasil é uma organização de antidemocrática, fascista no método de ação e na ideologia que foi incorporada ao regime democrático-liberal como elemento fundamentalmente de contenção dos direitos democráticos e de repressão das massas laboriosas. Um mecanismo de autodefesa da burguesia de conjunto. Rigidamente hierarquizada e controlada ideologicamente, imune a qualquer participação popular e treinados para a repressão violenta no dia dia dos Estados, a polícia que é um dos alicerces da regime burgues parlamentar, é também do regime dos antidemocrático. A policia não uma possível, aliado, mas um dos principais inimigos das massas.

A polícia é aliada sim dos opressores e notadamente do bolsonarismo, e caso esse venha a reunir as condições para estabelecer uma ditadura no país, reunindo o apoio de toda a burguesia, as polícias, em especial a militar, cumprirão um papel ainda mais horrendo do que cumprem hoje, como carrascos do povo.

A luta democrática contra o fascismo e a extrema-direita deve por certo levantar, como parte do programa, a palavra de ordem de dissolução da PM que é uma tropa auxiliar e permanente do fascismo. Parte fundamental do poder de Bolsonaro e do bolsonarismo vem do apoio que tem nas casernas, quartéis, delegacia etc., sem isso estaria reduzido a pó. A luta contra o fascismo, portanto, passa necessariamente pela luta pela dissolução da PM e demais forças de repressão totalmente antidemocráticas e pela constituição de forças verdadeiramente democráticas e representativas do povo. É uma fantasia, com consequências terríveis,  a ideia de que as forças de repressão do Estado atuaram contra a extrema-direita em defesa dos direitos democráticos, quando são em realidade a parte central da extrema-direita.

A segunda ideia, de que a reação das massas leva a derrota e a maior repressão, expressa apenas que a pequena-burguesia, que pensa desta maneira, não está disposta a ir até às últimas consequências na luta pelo direitos democráticos, mas somente até onde o establishment permite, não possuem vontade e nem força o suficiente para esmagar o fascismo e a burguesia. Expressa, nesse sentido, os limites da política pequeno-burguesa, condenada a seguir ou a burguesia ou a classe operária e as massas revolucionárias. Para a classe operária todas as suas conquistas são fruto da luta até às últimas consequências, a ideia de que não se pode passar o rubicão ficou no passado de sua história.

Essas ideias tal como surgem agora tem como fundamento a ilusão Na frente ampla, na salvação por cima. A esquerda crê estar realizando a grande tarefa de luta contra o fascismo unificando-se com setores da burguesia dita democrática, municiando ela do apoio que lhe permita por cima salvar a nação do bolsonarismo, temem que a entrada das massas por fora da frente ampla e contra também os seus novos aliados desfaça a frente salvadora, por isso pedem calma, paciência e pacifismo.

A frente ampla é uma política fracassada de antemão, pode, quando muito, propiciar uma saída reacionária, retratando a luta das ruas e levando-a ao parlamento, trocando o presidente por uma figura qualquer da direita e preservando a política econômica de Guedes, o mais provável, no entanto, é que atue para se reciclar junto a população e assim desmobilizar os trabalhadores, desmoralizar suas organizações e na hora H, se ela chegar, passar de mala e cuia para o fascismo, como fizeram aliás na eleição de 2018.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas