Privatização e entrega do gás
Ao que tudo indica, a estratégia de combate da brigada da turma de assalto do governo ilegítimo de Bolsonaro colocou em campo o plano para acabar com o monopólio do gás.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
gás
Plataforma FPSO Cidade de Itaguaí, unidade que produz, armazena e transfere óleo e gás. | Agência Brasil

O governo golpista de Bolsonaro vem desenvolvendo um plano de desestatização do Estado, e para isso, até mesmo os serviços públicos,  como o saneamento básico, a energia elétrica, a telefonia, entre outros, estão entrando na dança. 

Coautor da proposta conhecida como Nova Lei do Gás, o deputado federal Domingos Sávio (PSDB-MG) considera que a abertura de mercado e a entrada de novos fornecedores de gás natural no Brasil sejam regulamentadas por lei. Em 2019, o governo federal criou, por meio de resolução, o Novo Mercado de Gás, com a promessa de atrair novos investimentos, promover concorrência e cortar pela metade o preço do combustível até 2021, o que não ocorreu até o momento.

O assalto das riquezas brasileiras se fundamenta em 3 bases principais: a primeira é a fiscal, justificada pela necessidade de mais receitas para reequilibrar as contas públicas e diminuir uma dívida que se aproxima perigosamente de 80% do PIB; a segunda é o aspecto ideológico: Guedes, um Chicago Boy, é totalmente favorável à ideia de que o setor privado é, por definição, melhor gestor do que o Estado; a terceira, é a ideia de que, segundo também sustenta Guedes, a venda de bens públicos diminuirá a corrupção. E é claro, como não podia faltar, o discurso do ministro da Economia, culpa o PT de Luiz Inácio Lula da Silva, pela “disfuncionalidade” das próprias empresas públicas. 

Mas a “bela” tese golpista não se sustenta na realidade, quando tentam colocar a água e o gás como a bola da vez. Feliz ou infelizmente, a exemplo do que aconteceu em Manaus, depois de passados 20 anos desde a privatização do saneamento básico, é possível afirmar, segundo os dados apurados, que há completa incompetência dos setores privados em gerir o serviço, e os dados são abundantes neste sentido. Segundo o Sistema Nacional de Informações sobre o Saneamento (SNIS), apenas 12,43% de toda a cidade possui rede de esgoto, deixando assim 1.878.708 pessoas em vulnerabilidade de saúde sem poderem usufruir do serviço, e 91,42% recebem água tratada, mas este número ignora as gigantescas áreas da cidade em que a habitação é precária, como as favelas, ocupações e palafitas.

Não há como evitar a comparação e prever o que acontecerá com o gás. No mercado brasileiro, a oferta total de gás natural é de 82 milhões de metro cúbicos por dia, sendo que 69% são de oferta interna e 16% se referem à importação da Bolívia. Em relação à demanda total, o Brasil responde por 76 milhões de metro cúbicos/dia. A indústria é a que mais demanda o produto (48%), seguida pelo setor de geração elétrica (37%). Os dados são da ANP.

No Brasil, por conta do monopólio da Petrobrás, 100% do processamento e 80% da comercialização do produto em todo o mercado nacional é feito por ela tão somente. Para o diretor da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel) e coordenador adjunto do Fórum do Gás, Bernardo Sicsú, esse cenário requer mudanças normativas para que haja avanço e ganhos econômicos no setor. 

Certamente, por ganhos no setor, não se está querendo dizer benefícios para a população, e sim lucro para os investidores. Já se soube que a reconfiguração do setor foi encomendada por Guedes em reunião do final do ano passado, com Salim Mattar, e o economista Carlos Langoni, amigo e colaborador do “posto Ipiranga”. Só para situar, Langoni é amigo de Guedes e foi professor dele na Universidade de Chicago, além de diretor do Centro de Economia Mundial da FGV do Rio. 

Langoni, para realizar a tarefa a que Guedes lhe incumbiu recrutou João Carlos de Luca, dono de uma petroleira, a Barra Energia, e ex-presidente do instituto do setor, o IBP, e Marco Tavares, fundador da Gas Energy, consultoria que  tem na clientela Shell, Repsol, Chevron e British Petroleum (BP).

Ao que tudo indica, a estratégia de combate da brigada da turma de assalto do governo ilegítimo de Bolsonaro já colocou em campo o plano para acabar com a Petrobrás e garantir os “ganhos do setor” pelo qual demonstrou preocupação Bernardo Sicsú, e dominar, não só o mercado de petróleo, mas também o do gás.

Pior para o povão e o trabalhador, que desta missa, já se sabe de cor e salteado que desemprego, carestia do custo de vida, do gás de cozinha, do combustível, da energia elétrica, etc, serão consequências inevitáveis. Ainda mais agora, que com o panorama econômico decorrente da pandemia, a busca pelo lucro vai ser ainda mais dramática para o trabalhador, quem, em qualquer caso, é que sempre paga a conta no final.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas