“Democracia”: Trump quer usar 15 mil soldados contra imigrantes vítimas dos EUA

hondura do golpe

Após promover uma completa desestabilização socioeconômica em Honduras – assim como em diversos países da América Latina – o governo dos EUA expõe sua reputada faceta “democrática” e intensifica o bloqueio à entrada de imigrantes na fronteira com o México. Após o aterrador anúncio do envio de 5.200 soldados, Donald Trump não se contenta e diz que o efetivo pode chegar a 15 mil militares. O anúncio foi feito na Casa Branca, nessa quarta-feira (31), aclarando a impiedosa intenção do mandatário ianque, que consiste em: deter a entrada de uma caravana migrantes – que deixou Honduras no último dia 13 – e que atualmente estão a cerca de 1.600 quilômetros de distância da fronteira do país.

O suporte militar servirá de apoio aos agentes de patrulha, o ICE (Serviço de Alfândega e Proteção das Fronteiras) e outros membros repressores locais. Segundo Trump, os EUA “estão preparados” e os migrantes “não vão entrar em nosso país”. Neste mesmo dia, porém mais cedo, o próprio secretário de Defesa, Jim Mattis, já havia prometido o emprego de milhares de soldados fortemente armados na fronteira – que já conta lanchas da Marinha e arame farpado nos portões que dividem os países. No último dia 25, Trump destilou sua vilania contra os despossuídos e, escrevera: “Àqueles na caravana, deem a volta, nós não vamos deixar pessoas entrarem nos EUA ilegalmente. Voltem a seu país e, se vocês quiserem, peçam cidadania como milhões de outros estão fazendo!”. Afirmou também que, havia “criminosos” infiltrados na caravana; além de pessoas do Oriente Médio.

 Atualmente, as fronteiras contam com o apoio de 2.100 guardas nacionais – que receberão mais 5.200 – anunciados na segunda-feira (29). Até o momento, quatro caravanas se dirigem aos EUA, sendo que dois últimos grupos – com cerca de  600 salvadorenhos – deixou a capital de El Salvador neste domingo (28). Enquanto isso, um outro grupo que chegou a reunir mais de 1.000 pessoas, encontra-se na fronteira entre a Guatemala e o México. Contudo, o grupo mais próximo [1.600 quilômetros] da fronteira já reúne 7.000 pessoas.

Como parte de sua política de colaboração com o imperialismo, o governo mexicano afirmou na segunda-feira (29), que reforçou a segurança da fronteira com a Guatemala, visando conter o avanço de novas caravanas. Em contrapartida, Trump vem constantemente ameaçando cortar a ajuda à América Central e fechar a fronteira com o México. De acordo com o jornal The Washington Post, o mesmo avalia proibir até mesmo a imigração e o refúgio para centro-americanos, repetindo o que foi feito no ano passado com países de maioria islâmica.

Essa não é a primeira vez que Trump ameaça utilizar as forças militares para acossar os imigrantes que estão em situação de extrema precariedade, fugindo da pobreza que a própria política ianque promove em seus países. Nessa árdua caminhada, onde idosos e crianças buscam o mínimo para sua sobrevivência, – Trump os recebe com soldados. As atrocidades cometidas pelos EUA já esgotam páginas e mais páginas da história recente – perpetrando golpes de Estado e promovendo sucessivas ingerências à seu favor.

Não esqueçamos que através de sua política imperialista, os ianques arquitetaram a derrubada de Manuel Zelaya em 2009, colocando um signatário pró-imperialista, que acabou por levar à lona toda frágil economia de Honduras.