Apoio estatal
O Grupo Itapemirim informou que sexta feira, dia 9 outubro, vai iniciar processo seletivo para 600 profissionais para a Ita, futura companhia aérea do grupo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
whatsapp-image-2020-10-06-at-18.44.05 (1)
Ita Transportes Aéreos deve começar a voar em março de 2021 | Foto: Divulgação

O Grupo Itapemirim informou que sexta feira, dia 9 outubro, vai iniciar processo seletivo para 600 profissionais para a Ita Transportes Aéreos, futura companhia aérea do grupo. O mesmo grupo que teve aceito em 2016 o pedido de recuperação judicial da Viação Itapemirim e no processo dispensou mais de 700 funcionários.

É estranho que o grupo que supostamente não conseguiu manter 40% mercado que atuava e seus respectivos postos de trabalho, tenha agora um aporte de R$ 2,1 bilhões para abrir uma nova empresa em outro setor dos transportes. Setor esse da aviação civil, que sofre a maior crise das últimas décadas, tanto no mercado local quanto a nível mundial. Com a pandemia de Covid-19 a aviação comercial teve uma redução no tráfego de quase 90%, além do drástica baque na demanda dos voos remanescentes.

Em resumo, o grupo que não conseguia manter seu espaço em um mercado vai realizar uma inserção em outro mercado, tendo uma companhia aérea e pra isso vai contratar funcionários. Mas essas 600 contratações não são nada perto da bênção que o Grupo Itapemirim, como outros capitalistas tem recebido do estado brasileiro.

Além disso, no setor, o impacto da vagas será mínimo, mundialmente o setor da aviação civil está demitindo milhares de empregados. No Brasil, apenas em uma semana de agosto, a Latam demitiu 700 pilotos, o que representava na época 11% dos dos profissionais brasileiros da aviação regular de carga e de passageiros.

Na realidade, mundialmente para não falirem, as companhias aéreas estão recebendo gigantescas somas de dinheiro dos governos de seus respectivos países. O governo alemão prevê aporte de mais de R$ 59,51 bilhões a Lufthansa, já o governo português estima ajuda de R$ 6,61 bilhões a TAP, o governo francês já acordou um repasse de R$ 46,28 bilhões a AirFrance. No Brasil o cenário não difere e há um verdadeiro assalto aos cofres públicos para salvar as companhias aéreas, o governo brasileiro promete liberar R$ 6 bilhões para as três maiores empresas, Azul, Gol e Latam, que receberiam cada a soma de R$ 2 bilhões.

O panorama mundial tem um aspecto central: os capitalistas sofrem com a crise que criaram, mas o ônus de todas as perdas é lançado nas costas dos trabalhadores, que são sumariamente demitidos. E no momento da crise todos os estados capitalistas vão socorrer apenas os capitalistas, deixando os trabalhadores a própria sorte. É necessária a mobilização e organização popular para barrar esses assaltos aos cofre públicos, dinheiro público apenas para as empresa públicas, se os capitalistas não conseguem manter suas empresas que elas sejam estatizadas. 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas