Mobilizar os trabalhadores já
O estado mais atingido pelo desemprego no setor foi São Paulo, com mais de 10 mil demissões
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
calçados
Linha de montagem de calçados. | Foto: Reprodução

Ao menos 33 mil trabalhadores e trabalhadoras calçadistas perderam seus empregos desde o início da pandemia do coronavírus em todo o país, segundo dados da Associação Brasileira de das Indústrias de Calçados, Abicalçados.

O estado mais atingido pelo desemprego no setor foi São Paulo, com mais de 10 mil demissões, segundo a Abicalçados. Para o Sindicato dos Calçadistas de Jaú, o impacto pode ser ainda maior. “Em Jaú, cidade considerada polo calçadista, estimamos que cerca de 30% da categoria perdeu o emprego e outra grande parte teve contratos suspensos ou jornada reduzida de acordo com o que está previsto na MP 936”, aponta Jacintho, presidente da entidade. 

Tal situação nada mais é do que o resultado da política de omissão dos sindicatos e das centrais sindicais, principalmente a mais relevante delas, a CUT, que simplesmente fecharam as suas portas devido a crise do coronavírus.  E justamente no período de maior ataques já vistos nos últimos tempos contra a  classe trabalhadora. 

Em outras palavras, uma política covarde por parte das sindicatos, que estão permitindo processos de negociação de redução de jornada e salários, além de suspensão de contrato de trabalho que estão sendo realizados entre patrão e trabalhador de forma individual, correndo o risco de serem demitidos se não aceitarem. Tudo isso sem a participação dos sindicatos, que estão sendo apenas comunicados das decisões das empresas.

Por isso, mais do que nunca, é preciso reabrir todos os sindicatos – levando em consideração todas as medidas de segurança contra o coronavírus – e chamar uma mobilização nacional dos trabalhadores. 

Se faz necessário também paralisar setores da classe trabalhadora que nesse período jamais fizeram quarentena e que seguem trabalhando, sendo expostos ao Covid-19, sem a menor garantia de proteção, como os companheiros de supermercados, dos correios dos transportes, entre outros.

Enquanto isso a política do ilegítimo Bolsonaro e de todos o governadores da direita neste período é a de lançar a população de volta às ruas, à exploração no trabalho a qualquer custo, em pleno ápice da pandemia no Brasil, para atender às demandas dos setores patronais. Política genocida que está matando a população pobre trabalhadora por contato pelo coronavírus ou matando de fome.

É preciso que a CUT saia da paralisia e mobilize os trabalhadores na defesa dos seus direitos e pelo Fora Bolsonaro e todos os governadores genocidas!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas