Demissão de trabalhadores da CEB pode levar toda a categoria à greve!

ceb df

O presidente da Fundação de Previdência dos Empregados da Companhia Energética de Brasília (Faceb), Marco Antônio Vieira, fechou, de forma arbitrária, a Central de Atendimento da fundação nesta terça-feira (dia 05/02). Com isso, dez trabalhadores que há anos atendiam os funcionários e aposentados da empresa, foram dispensados.

Isso gerou forte repercussão na categoria, que não se conforma com a atitude por parte da presidência da Fundação.

Segundo afirma o Sindicato dos Urbanitários do DF (STIU-DF), ele sequer foi capaz de dialogar com a companhia, aposentados e trabalhadores sobre o assunto, antes de tomar uma decisão importante como essa e, portanto, não tem competência para conduzir a entidade.

O dirigente do STIU-DF, Sidney Lucena Araújo, anunciou que não descarta a possibilidade de a categoria entrar em greve. Ele se reuniu com o Conselho da Funceb na manhã desta quarta-feira, dia 6, e haverá outra reunião nesta quinta-feira, dia 7. Haverá também uma convocação para uma assembleia informativa e, dependendo de como for a assembleia, terá a início a greve da categoria. Diante da situação, o sindicato orientou a categoria para se mobilizar em torno da defesa da Funceb.

Esse é um claro exemplo da política da direita golpista, que consiste em atacar o patrimônio público e os trabalhadores. A atitude do presidente da Faceb, de fechar uma importante Central de Atendimento para a fundação e demitir os seus funcionários, demonstra que a direita não age com base na opinião e no apoio popular, e sim, com base nas medidas fascistas da força, repressão e retirada dos direitos do povo. Tudo isso para cumprir com o que realmente importa para os golpistas: atender aos interesses da classe dominante (burguesia) e garantir o lucro dos grandes capitalistas.

A declaração de Araújo, dirigente do STIU-DF, aponta para qual direção o movimento operário e as organizações populares devem seguir: o caminho da mobilização popular e de luta pelos direitos e interesses dos trabalhadores, nas ruas. Só assim que será possível derrotar o Golpe e reverter toda essa política de roubo da população.

Fora Bolsonaro e todos os golpistas!