Política de confusão
Diante da crescente revolta dos negros contra om regime capitalista, banqueiros e empresários buscam desviar o foco da luta
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
HSBCjpg
Banco HSBC | Foto: Shutterstock

Diante das gigantescas mobilizações contra a violência policial, após o assassinato do jovem negro George Floyd nos EUA, as quais tomaram as ruas de vários países, os capitalistas passam a adotar a velha política de fazer demagogia com o povo negro na tentativa de acalmar os ânimos e desviar o foco da luta.

Um exemplo disso foi o anúncio feito pelo presidente-executivo do banco HSBC, Noel Quinn, nesta última semana. Quinn, em um memorando interno, afirmou que o banco pretende dobrar, até 2025, o número de negros nos cargos de chefia da instituição. Uma política geral dos capitalistas. Há duas semanas atrás, os donos da Uber também afirmaram que pretendem triplicar o número de negros nos cargos de chefia da companhia.

Um primeiro ponto a se destacar é o caráter abertamente demagógico desse tipo de política. O maior ou menor número de negros nos cargos de chefia dos bancos e grandes empresas não irá contribuir em nada para a diminuição do racismo, muito menos para o fim da opressão contra os negros. Pelo contrário, estes problemas tendem a se aprofundar ainda mais com a acentuação da crise capitalista. Bancos como o HSBC e empresas como a Uber tendem a intensificar a suas políticas de rapinagem e ataque as condições de vida e trabalho, em particular dos negros, na tentativa de salvar a pele dos próprios capitalistas.

Este tipo de política também não irá por fim ao genocídio do estado capitalista contra os negros. Tanto a exploração, quanto a violência contra o povo negro é parte da luta de classes, ou seja, é parte essencial da política da burguesia imperialista contra os setores oprimidos.

A maior atribuição de cargos de comando para os negros nestas empresas, em primeiro lugar, é uma tentativa dos capitalistas de corromperem uma parcela ultra minoritária dos negros, dando a eles maiores salários e regalias.

Trata-se também da tentativa de desviar o foco das mobilizações, transferindo este da luta contra o estado capitalista, o imperialismo, para a luta por uma maior inserção do negro no completamente falido modo de vida capitalista, uma maior participação de uma minúscula parcela nos postos de comando.

Neste caso, vemos também o quão reacionária é a chamada política identitária. Aqui ela é defendida pelos próprios capitalistas contra a tendência de radicalização e luta do movimento negro. O identitarismo, neste sentido, é uma política de ataque dos setores mais reacionários contra os setores mais combativos da sociedade.

É preciso não se confundir com esse truque dos capitalistas e ter claro que a úncia saída para o fim da opressão contra os negros é a derrota do imperialismo e do regime capitalista como um todo. É necessário levantar um programa democrático para os negros. que tenha dentre os pontos principais, o fim de todo o aparato repressivo do estado e a isonomia salarial.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas