Delação, tortura psicológica e operação Lava Jato: Wikileaks mostra que foi tudo ensinado pelos EUA

tutela americana

Documento publicado no Wikileaks e que data de 30 de outubro de 2009, mostra a tutela do governo norte-americano para golpes na América Latina. O documento foi enviado para o Brasil, Argentina, Chile, Panamá, Paraguai e Uruguai. É um curso técnico em perseguição política, que o documento cita várias vezes como terrorismo.

Logo no primeiro parágrafo fica explícito:

“Participantes da conferência pediram treinamento em diversas competências, prática e demonstrações (como preparar uma testemunha para o testemunho, e como examinar a testemunha)”.

O documento coloca:

“Treinamento futuro deverá se basear em criação de Forças Tarefa Ilícitas, que podem ser a melhor forma de combater o terrorismo no Brasil”.

O nome do projeto é “Projeto Pontes: Criando Pontes para as Forças de Repressão do Brasil”.

O treinamento do Projeto Pontes foca em juntar:

“… juízes, promotores e polícia em uma prática de treinamento bilateral, entre o Brasil e os Estados Unidos”. As apresentações são focadas nas práticas e não na teoria”.

Juízes e promotores federais de todos os estados brasileiros e do distrito federal participaram, e mais de 50 agentes da Polícia Federal. A participação dos estados também foi solicitada e, assim, 30 promotores, juízes e agentes da lei também participaram da reunião. Junto com o brasileiros, participaram representantes do México, Costa Rica, Panama, Argentina, Uruguai e Paraguai.

A diplomata, coordenadora para o contra-terrorismo do Departamento de Estado( ministério das relações exteriores) norte-americano, Shari Villarosa abriu a conferência. E foi direto ao ponto:

“… o mantra tradicional é de evitar a palavra terrorismo e ao invés disso usar termos menos controversos como “Crime Internacional”, como um eufemismo para as atividades”.

“Os representantes dos setores jurídicos acharam extremamente interessante e importante. O treinamento relacionado ao contraterrorismo gerou um atenção geral dos juízes federais, promotores e membros da polícia federal, que estavam pouco preocupados com as repercussões e genuinamente interessados em aprender como lidar melhor com os processos judiciais e a luta contra o terrorismo”.

Fica claro de onde o juízeco Sérgio Moro aprenderam suas ações que não levam em conta a lei ou uma ideologia, e sim, a prática para interrogar e prender com mais facilidade, sem qualquer entrave. Moro aparece já no próximo parágrafo.

” O juíz federal Sérgio Moro então colocou em discussão os pontos mais comuns para lidar com os casos de lavagem de dinheiro”.

O termo lavagem de dinheiro é amplamente usado no documento para causar impacto nos processos.

“… ( lidar e usar) a cooperação formal e informal internacional, confisco de bens, métodos de prova, esquemas de pirâmide, delação premiada, interrogação direta e sugestões de como lidar com as ONGs. Em seguida, uma encenação de preparação de réus e examinação direta foi apresentada. … as discussões finais geravam uma miríade de tópicos e também sugestões dos brasileiros de como trabalhar melhor com os Estados Unidos.”

“Os participantes louvaram a tática de mão na massa, e requisitaram treinamento adicional em como coletar evidência, interrogar e entrevistar, táticas dentro do tribunal e o modelo de policiamento.

Eles (os brasileiros) enfatizaram a importância de discutir práticas investigativas e técnicas de julgamento, e a demonstração de exemplos concretos de cooperação entre as polícias e os promotores.

Com a pressão colocada e as técnicas de interrogatório os norte-americanos deixaram claro a importância dos juízes em

“… usar as delações e entrevistas ao invés de declarações escritas”.

Muitos brasileiros, contanto, confessaram não saber como usar essas técnicas, mas que estavam ansiosos para aprender”.

“Atualmente, a maneira mais eficaz de encarcerar um terrorista é presumir que já houve um crime como tráfico de drogas ou lavagem de dinheiro”. Isso se torna bem significativo para os casos envolvendo corrupção e indivíduos muito conhecidos”.

O treinamento das forças-tarefa, com juízes e membros da polícia, deverá ocorrer em São Paulo, Campo Grande ou Curitiba. Isso daria aos brasileiros experiência em trabalhar, com uma força tarefa, em um processo de longo termo e permitir acesso aos experts norte-americanos para guia e suporte durante o processo.

Ao fim o documento deixa claro que os brasileiros não se importam em usar o termo terrorismo e que funcionaria melhor no país.

Fica claro que o treinamento técnico e prático para prender de forma mais eficaz possível, seja sem provas, com delação premiada, sem documentos escritos, em conjunto com a polícia federal foi toda uma escola norte-americana para os juizecos e agentes federais brasileiros. Ansiosos por aprender as técnicas, assim como um cão ansioso para pegar a bola; o imperialismo amestrou bastante bem os golpistas brasileiros.