Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
SÃO PAULO 05/10/2014 -  NACIONAL - ELEIÇÃO 2014 - ALCKMIN - Atual governador e candidato do PSDB ao governo do Estado Geraldo Alckmin vota no Colégio Santo Américo no Morumbi - Alckmin foi acompanhado por Jose Serra, pela esposa Dona Lu e filhos e netos     - Foto: NILTON FUKUDA/ESTADÃO
|

De acordo com a delação da Odebrecht, constante do inquérito do Ministério Público que investiga pagamentos de propina ao tucano José serra, do PSDB, a empreiteira só teria conseguido receber R$ 191,6 milhões da empresa estadual Dersa, referentes a um acordo do ano de 2009 e a uma negociação envolvendo processos judiciais, depois de ter pago o montante de R$ 23,3 milhões ao então governador.

Segundo a empresa, o dinheiro teria como destino a campanha presidencial de Serra, de 2010, na qual acabou sendo derrotado por Dilma Roussef.

As denuncias que começam a abundar contra os tucanos, evidenciam a divisão da burguesia e o agravamento da crise do conjunto do regime golpista edificado sobre a base do golpe de estado que derrubou por meio de um impeachment comprado, sem quaisquer provas, a presidente Dilma Rousseff (PT), em meio a uma intensa campanha de suposto “combate à corrupção” na qual nenhum dos maiores corruptos do País, como é o caso dos tucanos que entregaram bilhões em recursos e patrimônios públicos para os banqueiros e grandes especuladores forma sequer investigados e que serviu apenas de pretexto para a campanha de perseguição política contra os dirigentes do PT e setores que apoiaram e/ou participaram dos seus governos e de base para o golpe de estado que está entregando toda a economia nacional e atacando como nunca as condições de vida da maioria do povo brasileiro.

Ao contrário dos ataques contra o ex-presidente Lula e a esquerda, as acusações contra Serra, Alckmin e Cia. tendem a não dar em nada e apenas serem usadas para justificar a manutenção da ofensiva ilegal – bem como novos ataques – contra os adversários do regime; servem para dar a aparência de que a “justiça está sendo feita”.

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas