Um problema político
No meio da esquerda, meu partido foi o primeiro e mais severo crítico dos governos do PT e, por isso mesmo, o primeiro a se levantar para defender Dilma e Lula dos golpistas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Não à prisão de Lula
Na luta, estabelecemos uma frente única com todos os setores dispostos a enfrentar o golpe de Estado | Arquivo DCO

Participo regularmente de um debate com brasileiros que vivem no estrangeiro e discutimos, nesse final de semana, a inevitável questão: “Lula já era?”. O problema vem sendo colocado com insistência pela imprensa capitalista e pela esquerda partidária da política de frente única com os setores dominantes da burguesia contra Bolsonaro em 2022. Nosso partido apresentou uma resposta clara à questão: é preciso lutar por Lula presidente.

No decorrer da discussão, como em outras que vêm ocorrendo em escala nacional, alguns companheiros expressaram restrições à defesa de Lula. São críticas feitas pela esquerda ao ex-presidente e os governos do PT. Não os julgo. Nosso partido foi o primeiro e mais severo crítico de Lula e dos governo do PT. Fomos, aliás, os primeiros no meio da esquerda a criticar Lula e a direção do PT quando o PCO ainda era a “tendência Causa Operária”, durante os primeiros dez anos de existência do PT.

Eu comecei a militar muito depois disso. Compreendi as críticas feitas pelo meu partido no passado e as que fizemos durante as duas últimas décadas em que militei como um instrumento fundamental na luta política, na luta mais importante e decisiva de todas, a luta pela construção de um partido operário, revolucionário e de massas.

As nossas criticas políticas a Lula e ao PT são fundamentadas na experiência política e na teoria marxista. Nós criticamos Lula mais do que qualquer outro partido, grupo ou indivíduo que se considere revolucionário. Muitos destes, ao longo de todos os anos até a eleição de Lula, se colocaram completamente a reboque dele, apoiaram a sua política, trabalharam para elegê-lo mesmo com divergências.

Dentre as objeções, o fato de Lula ser o principal expoente da política de conciliação de classes, de ter uma política de tipo nacionalista e não socialista, em suma, o fato de que a política de Lula não é a do PCO, foi a que mais me chamou a atenção. Dela deriva uma conclusão: se o PCO defender Lula como candidato à presidência, estará se comprometendo com sua política – e, eventualmente, com o seu governo. Estaríamos confundindo nosso programa com o seu programa.

A defesa de Lula não significa que o PCO abriu mão do seu programa ou vai se diluir no programa de um outro partido. Defendemos a candidatura de Lula justamente por conta do nosso programa. Lula está sendo vítima de um crime. Seus direitos políticos foram cassados. A direita está tentando bani-lo da cena política. Somos defensores ferrenhos dos direitos democráticos do povo.

Muito nos criticam alguns setores da esquerda pequeno-burguesa por termos tomado a defesa de figuras impopulares ou de direita. Não defendemos quem quer que seja pelo que pensam. Temos nosso próprio pensamento. Temos um programa, nos guiamos por ele e não estamos dispostos a trocá-lo pelas ideias de outros. Defendemos Lula sem restrições ou constrangimento por ser ele quem é, isto é, por termos sido adversários públicos durante décadas. A defesa da candidatura de Lula está subordinada a um interesse maior, a saber: o avanço da luta contra o golpe, a intensificação da polarização política no país, a evolução da consciência dos trabalhadores por meio da sua experiência.

Nesse sentido, reafirmo o que está claro no nosso programa: “a plena vigência do regime democrático, representativo, republicano e federal; convocação de uma Assembléia Constituinte, eleita por meio do sufrágio universal e com condições de absoluta liberdade política. Possibilidade de legislação popular direta, por meio do direito de iniciativa, de veto e petição de referendum. Fortalecimento da autonomia dos estados e municípios. Eleição popular e direta de todos os cargos públicos e revogabilidade de seus mandatos“. Esse regime, no entanto, não existe como tal. Por isso, não defendemos Lula “apesar de” termos divergências. Defendemos os direitos políticos de Lula e o direito de toda a população poder votar em quem quiser.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas