Menu da Rede

Antônio Carlos Silva

Um problema político

Defender Lula “apesar de…”

No meio da esquerda, meu partido foi o primeiro e mais severo crítico dos governos do PT e, por isso mesmo, o primeiro a se levantar para defender Dilma e Lula dos golpistas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Participo regularmente de um debate com brasileiros que vivem no estrangeiro e discutimos, nesse final de semana, a inevitável questão: “Lula já era?”. O problema vem sendo colocado com insistência pela imprensa capitalista e pela esquerda partidária da política de frente única com os setores dominantes da burguesia contra Bolsonaro em 2022. Nosso partido apresentou uma resposta clara à questão: é preciso lutar por Lula presidente.

No decorrer da discussão, como em outras que vêm ocorrendo em escala nacional, alguns companheiros expressaram restrições à defesa de Lula. São críticas feitas pela esquerda ao ex-presidente e os governos do PT. Não os julgo. Nosso partido foi o primeiro e mais severo crítico de Lula e dos governo do PT. Fomos, aliás, os primeiros no meio da esquerda a criticar Lula e a direção do PT quando o PCO ainda era a “tendência Causa Operária”, durante os primeiros dez anos de existência do PT.

Eu comecei a militar muito depois disso. Compreendi as críticas feitas pelo meu partido no passado e as que fizemos durante as duas últimas décadas em que militei como um instrumento fundamental na luta política, na luta mais importante e decisiva de todas, a luta pela construção de um partido operário, revolucionário e de massas.

As nossas criticas políticas a Lula e ao PT são fundamentadas na experiência política e na teoria marxista. Nós criticamos Lula mais do que qualquer outro partido, grupo ou indivíduo que se considere revolucionário. Muitos destes, ao longo de todos os anos até a eleição de Lula, se colocaram completamente a reboque dele, apoiaram a sua política, trabalharam para elegê-lo mesmo com divergências.

Dentre as objeções, o fato de Lula ser o principal expoente da política de conciliação de classes, de ter uma política de tipo nacionalista e não socialista, em suma, o fato de que a política de Lula não é a do PCO, foi a que mais me chamou a atenção. Dela deriva uma conclusão: se o PCO defender Lula como candidato à presidência, estará se comprometendo com sua política – e, eventualmente, com o seu governo. Estaríamos confundindo nosso programa com o seu programa.

A defesa de Lula não significa que o PCO abriu mão do seu programa ou vai se diluir no programa de um outro partido. Defendemos a candidatura de Lula justamente por conta do nosso programa. Lula está sendo vítima de um crime. Seus direitos políticos foram cassados. A direita está tentando bani-lo da cena política. Somos defensores ferrenhos dos direitos democráticos do povo.

Muito nos criticam alguns setores da esquerda pequeno-burguesa por termos tomado a defesa de figuras impopulares ou de direita. Não defendemos quem quer que seja pelo que pensam. Temos nosso próprio pensamento. Temos um programa, nos guiamos por ele e não estamos dispostos a trocá-lo pelas ideias de outros. Defendemos Lula sem restrições ou constrangimento por ser ele quem é, isto é, por termos sido adversários públicos durante décadas. A defesa da candidatura de Lula está subordinada a um interesse maior, a saber: o avanço da luta contra o golpe, a intensificação da polarização política no país, a evolução da consciência dos trabalhadores por meio da sua experiência.

Nesse sentido, reafirmo o que está claro no nosso programa: “a plena vigência do regime democrático, representativo, republicano e federal; convocação de uma Assembléia Constituinte, eleita por meio do sufrágio universal e com condições de absoluta liberdade política. Possibilidade de legislação popular direta, por meio do direito de iniciativa, de veto e petição de referendum. Fortalecimento da autonomia dos estados e municípios. Eleição popular e direta de todos os cargos públicos e revogabilidade de seus mandatos“. Esse regime, no entanto, não existe como tal. Por isso, não defendemos Lula “apesar de” termos divergências. Defendemos os direitos políticos de Lula e o direito de toda a população poder votar em quem quiser.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.