Imperialismo dá a bola
A esquerda de classe média faz os mais absurdos ataques contra Pelé, nosso Rei do futebol, enquanto defende um verdadeiro genocida como Joe Biden
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
pele
Pelé, o melhor jogador do mundo, é constantemente atacado pelo imperialismo | Foto: Reprodução

Maradona, o grande jogador argentino morreu nesta semana, como um representante de um esporte de massa que ele é, a sua morte causou grande comoção. Poderíamos, naturalmente, homenageá-lo lembrando dos seus feitos como jogador. Porém, a esquerda classe média, bem pensante, orientada pela ideologia imperialista, não perdeu a oportunidade para aproveitar de atacar Pelé e o futebol brasileiro.

A campanha contra o jogador brasileiro renova-se com novos ataques, comentários nas redes sociais diziam que Pelé seria um fascista, capitão do mato, escravocrata e mais inúmeros outros argumentos sem fundamento nenhum.

Contudo, o que me chama a atenção é que esse mesmo setor da esquerda pequeno-burguesa que levanta as mais diversas justificativas para atacar Pelé, ignora totalmente os mais nefastos motivos para apoiar algum político imperialista como o Democrata Joe Biden.

Biden, o genocida defensável

Chefe do imperialismo mundial, um reconhecido genocida, responsável direto por milhares de mortes em dezenas de países, foi facilmente defendido pela esquerda pequeno-burguesa como sendo um “mal menor” em relação a Trump. Nem mesmo boa parte das feministas levaram em consideração as oito acusações de estupro que existem contra o “democrata”. Todos esses acontecimentos foram simplesmente ignorados, evidenciando o quanto a esquerda não tem uma política própria, de princípios e independente, mas age orientada pelo imperialismo, que orientou sua política para a eleição de Biden.

Atacar o futebol é antipopular

A morte de Maradona mobilizou milhares de trabalhadores amantes do futebol na Casa Rosada, sede do governo da Argentina, a grande mobilização para acompanhar o velório do ex-jogador mostra o quanto o esporte é um interesse das massas, que é o esporte do povo, assim sendo tem uma importância econômica, cultural e social em praticamente todos os países do mundo, principalmente naqueles onde a classe operária é maior e mais organizada. Por essa razão há um forte interesse da burguesia para dominar os times, os jogadores, tudo mais que envolve o futebol.

O Partido da Causa Operária sempre defendeu e destacou a importância do futebol e os interesses políticos sobre este esporte, principalmente em relação ao futebol brasileiro que é o melhor do mundo e os seus jogadores.

Até pouco antes da morte do craque argentino, a esquerda pequeno-burguesa atacava ferozmente essa posição do PCO, o engraçado é que após a morte do argentino, muitos saíram em defesa de Maradona e do futebol, chegando inclusive a assumirem abertamente o papel político do esporte e como ele é importante para os trabalhadores.

Mas por que defender o futebol argentino e Maradona e não o futebol brasileiro? A esquerda mais uma vez está orientada pelo imperialismo, que faz a propaganda incessante contra os jogadores brasileiros, o que não ocorre no caso dos argentinos. Mais ainda, o imperialismo promove o futebol argentino, criando uma oposição com os brasileiros, como instrumento dessa propaganda. Por isso essa exaltação do futebol argentino e o ataque ao futebol brasileiro por parte da esquerda, que se coloca na prática ao lado do imperialismo.

Atacar o Pelé não é racismo?

Algo também que chama muito a minha atenção em relação aos ataques contra Pelé e outros jogadores negros brasileiros, como Neymar. É que em plena alta do movimento identitário, quando muitos dizem que se deve defender o negro só por ser negro e que o contrário disso seria racismo, ninguém desse setor apresenta qualquer defesa em relação aos jogadores negros brasileiros, pelo contrário, se dedicam a procurar e ressaltar tudo o que consideram defeitos desses jogadores e acabam fazendo coro com quem os ataca. No caso do futebol, a “defesa incondicional” do negro apenas por ser negro não é levada adiante pelos identitários.

Muito diferente foi a atitude desses movimentos identitários em relação à vice de Biden. Kamala Harris, apesar de ser representante do imperialismo genocida, responsável pela prisão de milhares de negros, latinos e pobres nos EUA quando foi procuradora na Califórnia, tem todo o apreço da esquerda influenciada por essa política identitária apenas por ser negra e mulher. Aqui, os defeitos não contam, e eles são mais graves do que qualquer coisa que se possa falar de Pelé, Neymar ou qualquer outro jogador.

Todavia Pelé, um negro de origem humilde, que revolucionou o futebol mundial e foi o exemplo para tantos outros jovens negros, pobres, em nenhum momento, em hipótese alguma, recebe a menor defesa desses setores.

Outra prova de que o identitarismo, os ataques contra os nossos jogadores, contra o nosso futebol, vem daqueles que odeiam o Brasil, odeiam o povo negro e o futebol popular.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas