Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
nota-pco
|

Diante do fracasso dos atos da direita bolsonarista

TODOS ÀS RUAS NO DIA 30, PELO FORA BOLSONARO, PELA LIBERDADE DE LULA E POR ELEIÇÕES GERAIS, COM LULA CANDIDATO

Depois do êxito espetacular das mobilizações do último dia 15 de Maio, quando mais de um milhão de pessoas saíram às ruas em mais de 300 cidades de todas as regiões do País contra o governo Bolsonaro, entidades nacionais dos estudantes (UNE, UBES etc.) convocaram uma nova mobilização, neste dia 30, que está sendo apoiada por entidades nacionais dos trabalhadores como a CUT (Central Única dos Trabalhadores), CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação), sindicatos de todo o País. O Partido da Causa Operária (PCO), se somou à esta iniciativa, convocando os trabalhadores e todos os explorados a se juntarem à juventude, nesta mobilização, aumentando a mobilização popular para derrotar a ofensiva do governo reacionário contra a Educação e todo o povo, o que só é possível colocando para fora Bolsonaro e todos os golpistas.

As mobilizações do dia 30, ocorrem quatro dias após o fracasso das manifestações do domingo, dia 26, quando os atos convocados pela direita fascista e outros apoiadores do governo Bolsonaro, reuniram menos de 10% do total de pessoas que saíram às ruas contra o governo: não foram mais de 100 mil em todo o País, mostrando a perda de apoio de Bolsonaro, mesmo entre as diversas frações da direita que se dividiram em relação aos atos, com diversos setores golpistas se recusando a participar dos mesmos (FIESP, MBL, PSDB, DEM, alas do PSL etc.).

Os atos da direita mostraram a fraqueza do governo Bolsonaro, um dia depois que o protesto contra os cortes na Educação, a “reforma”da Previdência e outros ataques do governo, no dia 15 de Maio, assumiu como palavra-de-ordem central o “fora Bolsonaro”.

O ato do dia 30, é parte da mobilização geral dos explorados contra o governo ilegítimo de Bolsonaro e de todo os regime político, do qual faz parte também a convocação da “greve geral” (paralisação nacional) do dia 14 de junho, e deve reforçar a coesão desse movimento, que está apenas começando, e apontar no sentido da superação da sequência de derrotas do último período – desde o golpe de Estado que derrubou a presidenta Dilma Rousseff. Para o que é preciso superar a política de lutas parciais (testada e reprovada nos últimos anos) e fazer avançar a mobilização em torno de uma perspetiva de conjunto, uma alternativa própria dos trabalhadores e da juventude diante da crise atual tendo como reivindicações centrais o Fora Bolsona- ro e todos os golpistas, a liberdade para Lula e a defesa de Eleições Gerais, com Lula candidato.

Além dessas questões centrais a mobilização deve se armar de um conjunto de reivindicações positivas e de um plano de lutas para dar sequência à mobilização vitoriosa do dia 15 de Maio, nas Escolas, Universidades, em todos os locais de trabalho, seja por meio de uma greve por tempo indeterminado da Educação, seja por meio da greve geral de verdade de todos os trabalhadores, ou seja, por uma greve até que as reivindicações sejam atendidas.

Derrotar o roubo da Previdência

• Nenhum apoio à “reforma”. Derrotar a proposta do governo na íntegra, por meio da mobilização popular, nas ruas

• Contra a expropriação dos trabalhadores, expropriar as grandes empresas capitalistas que devem bilhões para a Previdência

• Aposentadoria para as trabalhadoras aos 25 anos de trabalho e para os trabalhadores aos 30 anos

• Salário dos aposentados, igual ao salário da ativa

• Colocar a Previdência sob o controle dos trabalhadores e das suas organizações

Barrar a destruição do Ensino Público

• Nenhum corte nas verbas para a Educação, que os capitalistas paguem pela crise

• Mais verbas para a Educação. Verbas públicas somente para o ensino público; monopólio estatal da educação, fim do ensino pago

• Nacionalizar o petróleo. Cancelar as privatizações e reestatizar a Petrobras (100% estatal) para garantir os recursos necessários à Educação, Saúde, Previdência etc.

• Ensino Público, Laico e de qualidade para todos, em todos os níveis

• Fim do Vestibular: livre ingresso nas universidades

• Fim do roubo dos salários: reposição integral das perdas salariais; Piso Salarial Nacional dos Professores de R$ 6 mil para todos os educadores do ensino básico (Meta 17 do PNE)

Abaixo a ditadura nas Escolas e Universidades

• Abaixo a Escola com Fascismo e a Militarização das Escolas. Fora a PM das Escolas

• Eleição direta de todos os cargos de gestão e controle das Escolas e Universidades pela comunidade escolar

• Plena liberdade de organização e expressão para educadores e estudantes: nenhum tipo de restrição ao debate ou censura nas Escolas e Universidades

Defender os direitos democráticos de todo o povo

• Abaixo a censura: liberdade irrestrita de expressão, de manifestação, greve etc.

• Contra o massacre da população pobre e ação criminosa dos bandos fascistas: direito ao armamento de toda a população; construção de comitês de auto defesa dos sem terras, nos bairros operários, dos sindicatos e demais organizações de luta dos trabalhadores e da juventude

• Abaixo a ditadura do judiciário: eleição e revogabilidade dos mandatos de todos os juízes; fim do STF

• Dissolução da PM e de todo o aparato repressivo

• Fim da criminosa operação lava jato

Fim do regime golpista

• Liberdade para Lula e todos presos políticos
• Eleições Gerais, com Lula candidato e Lula presidente

• Fora Bolsonaro e todos os golpistas
• Liberdade para os presos políticos
• Revogar todas as reformas dos governos Temer e Bolsonaro
• Por Assembleia Nacional Constituinte, resultado da mobilização revolucionária das massas que ponha abaixo o regime atual

Fora o imperialismo do Brasil e da América Latina

• Não à entrega do País: Não pagamento da dívida externa; cancelamento de todas as privatizações; Não às privatizações dos Correios, Petrobrás, BB, Caixa etc. Colocar as estatais sob o controle dos trabalhadores

• Estatização do sistema financeiro e do grande capital imperialista

• Não ao ao golpe e à intervenção dos EUA na Venezuela, Nicarágua, Cuba etc.

Um dia de luta não basta, parar todo o País para derrotar os golpistas

• Realizar assembleias por categorias, nas universidades e Escolas, nos bairros etc. e aprovar a greve geral, começando pela paralisação do dia 14 de junho. Ocupação das escolas e universidades

• Aprovar a greve geral por tempo indeterminado, nas universidades e instituições federais exigindo o cancelamento dos cortes e demais reivindicações do movimento.

• Transformar o 14 de junho (greve geral) em um dia de assembleias operárias e populares unificadas em todo o País, onde sejam aprovadas a continuidade da mobilização pela derrota total da reforma da Previdência e demais reivindicações, com a realização de uma greve geral por tempo indeterminado

São Paulo, 26 de Maio de 2019.

PCO – Partido da Causa Operária (11) 96388-6198 (Vivo)

Corrente Sindical Nacional Causa Operária (11) 96388 6198

AJR – Aliança da Juventude Revolucionária – [email protected] (11) 99926 – 9142

Educadores em Luta – (11) 98344-0068

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas