Eleições 2020
O PCB segue a política do PSOL e se coliga com partidos que apoiaram o golpe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
pcb boulos
pcb e psol | arquivo

As eleições municipais de 2020 tem servido para os partidos da esquerda pequeno-burguesa buscarem uma maior integração no jogo de alianças, buscando como se diz um lugar ao sol no regime golpista. O mais festejado pela imprensa é evidentemente o Psol, que tem inclusive encabeçado frente com partidos burgueses em coligações em Belém, Manaus e Florianópolis. O PCB tem seguido caninamente essa política de conciliação com os golpistas, do seu aliado preferencial.

Dessa forma, o PCB, apesar do discurso em defesa do “poder popular” e contra a “conciliação de classe” do PT e PCdoB não somente tem adotado a mesma política de “frente ampla” do PSOL, como  tem feito aliança inclusive com partidos que apoiaram o golpe em 2016 como a Rede e o PDT, em cidade como Manaus.

Setores da esquerda reformista com a direita do PT e o PCdoB usam a máxima de que é preciso “virar a página do golpe” para justificar o “esquecimento” do que fez os partidos tradicionais da burguesia e seus consortes que promoveram o golpe contra Dilma, para com isso estabelecer acordos, usando como justificativa a necessidade da “união” de todos contra Bolsonaro.

Durante o golpe de Estado de 2016, o PCB procurou se esquivar que qualquer posicionamento, mas no fundamental negou que havia um golpe em curso, e se recusou a lutar contra a direita. Neste sentido, não tem página para virar, trata-se tão somente de uma tentativa de se aproveitar da política da burguesia de favorecimento de setores anti petistas da esquerda.

Em 2002, o PCB apoiou o PT, apesar da coligação com a direita, naquela oportunidade a participação do PCB na frente popular estava relacionada com o fato que o PT era apoiado pela burguesia. Em 2016, o PCB recusou-se a defender o governo do PT pois a direita estava golpeando o governo. Agora integra coligação com partidos que apoiaram o golpe como a Rede e o PDT.

O PCB se recusou a fazer uma frente de luta contra o golpe e pela liberdade para o ex-presidente Lula, uma frente de lutas nas ruas entre os partidos de esquerda e os movimentos sociais. Porque seria “governismo” e ficar à reboque do PT – como acusavam o PCO.

Só que depois do golpe o partido evoluiu de uma política ultraesquerdista para uma posição direitista e ultraconciliadora, fazendo alianças com o próprio PT e até mesmo com a Rede e o PDT.

Mas o pior de tudo isso não são as alianças em si mas para que elas servem: antes se recusava a aliar-se com o PT para lutar nas ruas contra o golpe, agora alia-se ao PT e a partidos golpistas para supostamente vencer a extrema-direita no âmbito institucional, nas eleições. Ao invés de participar de uma frente única da classe operária, participa de uma frente ampla eleitoral e oportunista.

O PCB se reivindica um partido revolucionário, mas não consegue agir sem ficar a reboque de alguém, ora a reboque da pequena-burguesia, ora a reboque da própria burguesia (como na aliança com a Rede e o PDT de Ciro Gomes). Entrando na frente ampla com meros objetivos eleitorais, após largar uma frente com a classe operária. Isso não é um partido da classe operária que luta por sua independência e revolução, mas um partido que se integra cada vez mais ao regime burguês dominado pela extrema-direita.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas