Participe da campanha!
A campanha do Partido da Causa Operária é feita por Comitês Eleitorais de Campanha, vai às ruas e convoca os trabalhadores a derubarem Bolsonaro e colocarem Lula na presidência
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
PCO em ato na paulista
A tática do PCO é uma tática militante, na contramão dos cabos eleitorais e da demagogia | Foto: Reprodução

A campanha do Partido da Causa Operária segue na prática o programa partidário, levando-o às ruas, as casas dos trabalhadores e divulgando amplamente o programa revolucionário para derrotar a burguesia nacional, o imperialismo e o fascismo com uma luta política dos trabalhadores contra todos esses algozes das amplas massas. A campanha de porta em porta, as atividades de panfletagens e vendas de jornais e as entrevistas e intervenções em diversas frentes são marcas registradas de uma tradição revolucionária que o PCO carrega a consigo tanto no seu programa partidário como na sua prática cotidiana.  Essa campanha militante, feitas por Comitês Eleitorais de Campanha, vai de encontro com os trabalhadores e principalmente seus interesses mais conscientes, como veremos em diversos casos no decorrer deste artigo. 

Às ruas e de porta em porta: uma tática revolucionária, uma campanha militante 

Na contramão de todo oportunismo e atraso político vigente no País, tanto principalmente na direita como também na própria esquerda, a campanha eleitoral do PCO é avessa ao método dos cabos eleitorais e da demagogia, a chamada promessa. A princípio, o PCO não promete nada, chama os trabalhadores e os organiza para lutar pelos seus interesses de classe. Aponta o caminho da mobilização, convoca os operários a se juntarem em uma organização que pretende acabar pela raiz com os seus problemas: a burguesia. Principalmente, aponta o caminho político para esse objetivo urgente de toda classe trabalhadora, suas palavras de ordens políticas. Não é diferente na prática.  

Em diversos lugares do País, de norte a sul, contra toda bandalheira feita contra o PCO e contra todos os trabalhadores de conjunto, se vê o PCO na campanha eleitoral fazendo aquilo que ele faz fora: agitando os trabalhadores, organizando-os. Principalmente no sentido de derrubar o governo Bolsonaro e de colocar na marra o ex-presidente Lula dentro das eleições de 2022. A campanha do PCO tanto nas ruas como de casa em casa de cada trabalhadores tem o mesmo objetivo comum, discutir o programa da luta dos trabalhadores contra aqueles que lhes oprimem, lhes sufocam, lhes roem os ossos. O caminho apontado pelo PCO para os trabalhadores é a organização deles próprios em torno de um programa de reinvindicações concretas, apresentados a cada um, principalmente no que tange o seu problema político mais fundamental: fora Bolsonaro, Lula presidente. 

Como nos casos:

Panfletagem na Vila Luzita, Santo André (SP) 

 

Colagem, campanha eleitoral em Mauá-SP

Entrevistas: é preciso levar o programa revolucionário a todos os espaços possíveis 

No próprio programa do PCO está o cancelamento da concepção de todos os grandes monopólios da informação: Folha de S. Paulo, Estado de São Paulo, IstoÉ, no caso dos impressos e também nas televisões, como Globo, SBT, Bandeirantes e entre tantas outras. Todos esses meios de informação não passam de grandes anomalias do sistema vigente, grandes máquinas de propaganda da burguesia em torno dos seus interesses. A “liberdade de expressão” defendida por esses monopólios da burguesia não passam de uma grande censura a todos os trabalhadores, que não tem vez nem lugar para expressas seus interesses e suas reinvindicações. Como o caso do companheiro Luiz Delvair, que já deu uma série de dezenas de entrevistas para fazer propaganda do partido.

Mas, por isso mesmo, para combater esse grande privilégio, que o PCO recusa o sectarismo e participa de debates e entrevistas em todos os lugares onde fora chamado. Mesmo passando por diversas censuras, a orientação é clara: propagandear o programa em todos os lugares. Por isso mesmo, o PCO não se resume a ir na imprensa burguesa com seus assediadores, chamados de jornalistas, mas também intervém principalmente nos locais onde a maioria dos partidos despreza participações, como movimentos sociais e instituições estudantis. E na própria TV partidária há uma série de entrevistas com candidatos do PCO.

Nas redes: usar amplamente a ferramenta que faz frente ao monopólio da informação 

O PCO também é o partido que melhor usa suas redes em todas suas campanhas e não seria diferente com as eleições. Afinal, como dito antes, no partido existem um mesmo programa, portanto uma mesma propaganda e um mesmo método. Inclusive, de forma consciente, pois o PCO sempre se posicionou contra as diversas leis de censura nas redes sociais. As chamadas “fake news” são um pretexto para censura nas redes sociais e devem ser duramente combatidas e denunciadas como um método de censurar os opositores políticos da burguesia nas redes sociais. É preciso fazer uma agitada campanha nas redes, tanto neste diário, como na CausaOperária TV, no Twitter, Instagram, Facebook e em todos os lugares da internet. Por isso, siga o PCO nas redes!

Twitter: https://twitter.com/PCO29
Facebook: https://www.facebook.com/pco29/
Instagram: https://www.instagram.com/pco.29/
Youtube, com uma TV 24 horas no ar: https://www.youtube.com/c/CausaOperariaTV

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas